A+ / A-

Chile

Asno da Somália em perigo de extinção nasce em Zoo chileno

07 jul, 2023 - 16:42 • Redação

Espécie conta com menos de 200 exemplares adultos em todo o mundo.

A+ / A-

Um asno da Somália nasceu num jardim zoológico chileno, aumentando a esperança de uma espécie em vias de extinção com menos de 200 indivíduos adultos em todo o mundo.

O zoológico de Buin, na periferia sul da capital chilena de Santiago, faz parte de um esforço internacional para ajudar a restaurar a população de asnos selvagens somalis que a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) classifica como criticamente ameaçada.

"É uma tremenda notícia, a conservação de um burro selvagem que está a desaparecer da terra e que hoje temos a capacidade de reproduzir de uma forma magnífica, aqui, na ponta do mundo, no Chile", refere o Zoo, em comunicado.

"Estamos realmente muito felizes por dar a notícia em tempos complexos sobre a conservação de muitas espécies", disse Ignacio Idalsoaga, fundador e diretor do parque, que acrescentou que o potro apresentado na quinta-feira é o quinto naquele jardim zoológico.

Segundo a UICN, a população restante de asnos somalis encontra-se na Eritreia e na Etiópia e o maior número registado é de apenas 17 indivíduos. Na Etiópia, registou-se um declínio de 95% nos últimos 35 anos e não se sabe se ainda existe algum na Somália.

A espécie de burro, que sobressai das demais pelas patas em padrão de zebra, tem vindo a diminuir drasticamente devido à perda de habitat e à caça para fins alimentares ou medicinais. Os ossos do animal são usados em sopas, que supostamente têm uma série de características medicinais, não comprovadas cientificamente, mas que praticamente levaram à extinção da espécie.

Dois exemplares de Asnos da Somália nasceram no zoo em 2021, com os nomes de Lucrecia e Ita. O novo exemplar chileno, que tem apenas algumas semanas de idade, ainda não foi batizado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+