Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Febras vs. Lisboa. Rock in Rio deseja "o melhor aos amigos do festival" de Guimarães

06 jul, 2023 - 13:34 • Lusa

Na rede social Instagram, o Rock in Rio Lisboa escreve que adoraria "convidar todos a mergulharem no ritmo do festival no Rio Febras e seguir com essa mesma energia até junho de 2024", data da próxima edição do Rock in Rio na Bela Vista.

A+ / A-

Os responsáveis pelo Rock in Rio Lisboa desejam "o melhor aos amigos do festival de Rock que acontece perto do Rio Febras", assumindo que ficaram surpreendidos "pelo alarido causado pela notificação" para que mudassem de nome.

O "Rock in Rio Febras", que se realiza em 22 de julho em Briteiros S. Salvador, no concelho de Guimarães, distrito de Braga, teve uma "enorme repercussão e mediatismo", depois de se saber que a empresa responsável pelo Rock in Rio Lisboa notificou a organização do festival a mudar de nome, alegando uso indevido da marca e concorrência desleal.

"Amigos do Festival de Rock que acontece perto do Rio Febras. Foi com muito humor e boa disposição, mas também com um certo sentimento de satisfação que fomos surpreendidos pelo alarido causado pela notificação que vos foi enviada sobre o uso indevido da nossa marca registada pelo vosso tão engraçado comunicado, que gerou uma onda viral nos meios de comunicação e redes sociais do país, nos últimos dias", refere o Rock in Rio Lisboa, numa publicação ("story") do Instagram, colocada perto das 00h00 desta quinta-feira.

O Rock in Rio Lisboa diz que "é (com um enorme sorriso)" que constata que o pequeno festival de Briteiros S. Salvador "tem também uma componente solidária e é feito por um grupo de jovens voluntários".

"Agradecemos por reconhecerem a nossa energia contagiante e diversidade musical e, sobretudo, a nossa história que conta já com mais de 38 anos. Queremos abraçar toda a comunidade do festival que acontece "around [à volta]" Rio Febras e celebrar as diferenças e a união pela música "for a better World [por um Mundo melhor]" ou, em português, desejamos de coração o melhor ao vosso festival", lê-se nas "stories".

O Rock in Rio Lisboa espera ainda "estar a contribuir para o sucesso" da 2.ª edição do "festival no Rio Febras".

"Afinal de contas, é a música, as grandes causas e a alegria das pessoas que nos movem e, por isso mesmo, adoraríamos convidar todos a mergulharem no ritmo do festival no Rio Febras e seguir com essa mesma energia até junho de 2024, no Parque da Bela Vista [em Lisboa]. Vamos celebrar juntos os 20 anos da chegada do nosso festival a Portugal. Quem sabe se não surgem colaborações incríveis e surpreendentes no futuro?", escreve o Rock in Rio Lisboa.

A publicação termina com a seguinte frase: "Com paz e amor. O festival que acontece em Lisboa".

Na quarta-feira, a organização do "Rock in Rio Febras" também disse estar surpreendida com a dimensão nacional que o festival atingiu, após a polémica com o "Rock in Rio", acrescentado que até já foi contactada por excursões de Lisboa.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Casa do Povo de Briteiros, Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) que organiza o evento, deu conta de que o festival "assumiu uma dimensão que está a ultrapassar tudo" o que era expectável.

Vasco Marques contou que na primeira edição do "Rock in Rio Febras", realizada em 2022, passaram pelo recinto cerca de 1.500 pessoas ao longo de todo o dia.

Face à procura que o festival deste ano - que terá cinco bandas e quatro DJ locais a atuar - está a ter, a organização vai fazer algumas alterações para "duplicar ou triplicar a capacidade" do parque fluvial de Briteiros, nas margens do rio Febras.

Quanto ao novo nome a dar ao festival, o presidente da Casa do Povo de Briteiros revelou que será o público a escolher através de uma votação que será posta a correr nos próximos dias nas várias plataformas digitais.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+