Tempo
|
A+ / A-

Morte de Luís Aleluia. Presidente recorda “capacidade de conquistar o público”

24 jun, 2023 - 08:58 • Lusa

Ministro da Cultura diz que morte do ator, aos 63 anos, "deixa o teatro português mais pobre e mais triste".

A+ / A-

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa lamentou na sexta-feira a morte do ator Luís Aleluia, aos 63 anos, recordando o seu “talento, empatia e capacidade de conquistar o público de várias idades”.

“Guardamos na nossa memória o que foi de facto o seu talento, a sua empatia, a sua capacidade de conquistar publico, de várias idades e ao longo de muito tempo”, sublinhou o chefe de Estado no Porto, à margem dos festejos da noite de São João.

Já o ministro da Cultura disse que a morte do ator “deixa o teatro português mais pobre e também mais triste”.

Pedro Adão e Silva lembrou que Luís Aleluia “foi um ator que, ao longo de uma carreira de quatro décadas, acompanhou os portugueses de todas as gerações”.

“Além da sua vida nos palcos e ecrãs, deu também o melhor de si aos outros, como revela o empenho que colocava na sua atividade na Casa do Artista”, acrescentou, numa publicação na rede social Twitter.

O ministro manifestou ainda o seu pesar à família, amigos e a todos quantos com ele trabalharam.

O ator Luís Aleluia morreu aos 63 anos, divulgou esta sexta-feira à noite na sua página na rede social Facebook o humorista Herman José.

“Soube da notícia agora. O querido Luís Aleluia foi distribuir gargalhadas para outra dimensão. Paz à sua alma. Era um homem bom, e um excelente comediante”, frisou Herman José na sua publicação.

Luís Aleluia, nascido em 23 de fevereiro de 1960 em Setúbal, teve várias participações em teatro e televisão, tendo ficado célebre pela interpretação como "Menino Tonecas" na série da RTP, As Lições do Tonecas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+