Tempo
|
A+ / A-

"Relógio do apocalipse" está a 90 segundos da meia-noite, dizem cientistas

25 jan, 2023 - 00:02 • Lusa

O relógio foi adiantado em 10 segundos, fixando-se agora a 90 segundos da meia-noite, aproximando-se assim da hora fatídica.

A+ / A-

O "relógio do apocalipse", que simboliza a iminência de uma catástrofe mundial, foi fixado hoje a 90 segundos da meia-noite, devido, em grande parte, à invasão da Ucrânia pela Rússia e ao risco de uma escalada nuclear.

O anúncio foi feito em conferência de imprensa pelo grupo dos especialistas que gere este projeto simbólico desde 1947, o Boletim dos Cientistas Atómicos.

O relógio foi adiantado em 10 segundos, fixando-se agora a 90 segundos da meia-noite, aproximando-se assim da hora fatídica.

Segundo os responsáveis, o novo horário do relógio também foi influenciado pelas ameaças relacionadas com a crise climática e pelo colapso das normas e instituições globais necessárias para mitigar os riscos associados ao avanço das tecnologias e ameaças biológicas, como a covid-19.

Desde 2020, o relógio andou 100 segundos a partir da meia-noite, um recorde desde a sua criação.

"Estamos a viver numa época de perigo sem precedentes, e o relógio reflete essa realidade. Noventa segundos para a meia-noite é o mais próximo que o relógio já esteve da meia-noite e é uma decisão que os nossos especialistas não tomam de ânimo leve", disse a presidente do Boletim dos Cientistas Atómicos, Rachel Bronson.

Criado após a Segunda Guerra Mundial, o relógio marcava inicialmente meia-noite menos 7 minutos.

Em 1991, no final da Guerra Fria, foi acertado para a meia-noite menos 17 minutos.

Em 1953, assim como em 2018 e 2019, marcava meia-noite menos 2 minutos.

O Boletim dos Cientistas Atómicos foi fundado em 1945 por Albert Einstein e outros cientistas que trabalharam no projeto Manhattan, que produziu a primeira bomba atómica durante a Segunda Guerra Mundial.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+