Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

“Relógios de Sol”. Exposição para ver em Braga

07 dez, 2022 - 11:39 • Olímpia Mairos

Professores da Universidade do Minho já inventariaram 150 relógios de sol da região. Um trabalho importante em termos científicos, históricos, artísticos e turísticos.

A+ / A-

“Sentimos necessidade de inventariar este património, que, além da dimensão científica, tem uma dimensão histórica e artística, mas também muito turística, pois poderemos definir percursos de relógios de sol na cidade ou até na própria região” – é assim que a professora Elfrida Ralha, do Departamento de Matemática da ECUM, justifica o trabalho de inventariação que está a ser realizado na região.

O trabalho inédito, está a ser coordenado por professores da Escola de Ciências da Universidade do Minho (ECUM), e alguns cidadãos, decorre há um ano e já permitiu a catalogação de 150 relógios de edifícios públicos e privados, como a Sé de Braga e o Mosteiro de Tibães.

Três dezenas destes instrumentos científicos, considerados objetos de arte, podem agora ser apreciados na exposição “Relógios de Sol”, no Museu dos Biscainhos, em Braga.

De acordo com a professora Elfrida Ralha, “um relógio de sol é o único que nos diz a hora exata, pois o que temos no pulso tem uma hora média, fixada pelos meridianos. O meio-dia em Braga não é o meio-dia de Lisboa ou de Faro, porque o sol movimenta-se”.

A docente relembra que estes objetos eram muito utilizados pelos antepassados, por exemplo, para identificar as épocas de plantio e colheitas.

“Serviam para as pessoas saberem se estava na hora de mudarem os cursos da água para os campos dos vizinhos, de irem almoçar, rezar ou voltar para o trabalho. E podiam ser crianças de 5 anos que iam ler as horas nestes relógios”, sintetiza.

Falta catalogação nacional

Em Portugal, há trabalhos recentes sobre os relógios de sol, mas ainda não existe uma base de dados nacional com a sua catalogação. Em muitos destes objetos encontram-se divisas (frases), muitas delas em latim, de natureza religiosa/filosófica (apelam ao nascimento e à morte no contexto do nascer e pôr do sol), política ou pedagógica (tornaram-se provérbios).

A exposição inclui peças dos concelhos de Braga, Amares, Barcelos, Celorico de Basto, Fafe, Guimarães, Póvoa de Lanhoso, Terras de Bouro e Vila Verde.

Produzida pela ECUM, com curadoria de João Cabeleira e Elfrida Ralha, tem a parceria de Centro de Matemática da UMinho, do Laboratório de Paisagens, Património e Território (Lab2PT), da Fundação para a Ciência e Tecnologia, da Rede Casas do Conhecimento, do Município de Braga, do Planetário - Casa da Ciência de Braga, do Museu dos Biscainhos e da Direção-Regional de Cultura Norte.

A exposição pode ser vista até 8 de janeiro e a entrada é gratuita. A ECUM tem ainda prevista a construção de um relógio de sol na cidade, em parceria com o Município de Braga.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+