Tempo
|
A+ / A-

Dançar, escutar e aprender nas margens do Alqueva. Festival Andanças está a chegar

16 ago, 2022 - 18:21 • Rosário Silva

O Andanças renasce no Campinho, concelho de Reguengos de Monsaraz, entre 18 e 21 de agosto, ao som da música, ao ritmo da dança e ao sabor do reencontro das culturas.

A+ / A-

O Festival Andanças está de regresso na sua nova “casa”, em Campinho, uma aldeia do concelho de Reguengos de Monsaraz, com vista para a planície alentejana e a três quilómetros do espelho de água de Alqueva.

A Associação PédeXumbo, entidade que organiza o evento, começou em 2021 “A Caminhar para o Andanças", numa edição especial que pretendeu dar a conhecer a região e apontar para o futuro do festival, promovendo vários encontros e conversas com os participantes.

Este ano, “o Andanças está a renascer e a enraizar no Alentejo Central com força, energia e folha persistente, para trazer de volta os quatro pilares do festival: Dança&Música, Voluntariado, Comunidade e Sustentabilidade”, referem os promotores, numa nota enviada à Renascença.

O encontro acontece há a partir desta quinta-feira, dia 18, para se prolongar até dia 21. São quatro dias, inspirados pelo encanto da região e da sua comunidade, numa parceria, com a Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz e da Junta de Freguesia de Campo e Campinho.

O encontro foi preparado para poder contar com cerca de 1.500 participantes. Do recinto principal do festival ao campismo, do espaço criança ao espaço saúde, da bilheteira à cantina, das ruelas às praças para encher de música e participantes, podem ser encontrados todos os serviços do festival na aldeia ribeirinha de Campinho.

“Com o festival a acontecer em malha urbana, o pilar comunidade ganha ainda mais destaque. Entreajuda, partilha e intercâmbio fazem parte do Andanças que, pelo segundo ano consecutivo, será recebido pela comunidade de Campinho, as suas gentes, associações, cafés, mercearias, famílias e entidades, dando também a conhecer melhor a região e os seus costumes”, realça a Associação PédeXumbo.

O regresso da dança

O Andanças traz de volta a música e a dança popular, “enquanto meios privilegiados de aprendizagem, intercâmbio entre gerações, saberes e culturas”.

São quatro dias para dançar, “numa viagem a vários cantos do mundo, com os momentos de partilha e aprendizagem a que o festival nos habituou”, é destacado.

Por causa do calor alentejano organização lembra que esta edição conta com uma programação mais reduzida, com oficinas de manhã e ao final da tarde, todos os dias.

“Vai-nos permitir ser alentejanos e desfrutar de uma boa e revigorante sesta debaixo do chaparro para repor energias para as oficinas e bailes que começam ao final da tarde e seguem pela noite dentro”, sugere a associação cultural.

Uma programação para todos

Das danças africanas aos bailes mandados, do forró às danças irlandesas ou às chamarritas dos Açores, as manhãs e os finais de tarde vão ser dedicados às oficinas de dança. Os bailes começam às 22h00 e prolongam-se pela madrugada. Os concertos têm início às 17h00.

Espaço também para as oficinas criativas, de instrumentos e de relaxamento, conversas, sessões de contos e passeios, além do habitual “espaço criança”, na Sociedade Recreativa Campinhense, cuja programação, ao longo do dia, tanto pode incluir jogos como rodas cantadas, circo, percussão ou confeção de bonecos de pano.

Em Campinho, o Andanças conta sete espaços de programação com quatro palcos e vai ainda aventurar-se por espaços menos convencionais, como o antigo lavadouro, onde irão decorrer as oficinas criativas e de instrumentos e para onde estão marcadas conversas e os primeiros concertos de cada dia, às 17h00: A Urtiga, atua dia 18; a 19 é a vez de Malino; Djara Djara chega no dia 20, e CaosArte encerra o festival no domingo, dia 21.

Como chegar ao Andanças

A Associação PédeXumbo recomenda a utilização de transportes públicos como meio preferencial para chegar ao festival, tendo em vista a redução dos impactos ambientais.

A Rede Expressos, parceira do Andanças, oferece um desconto de 25% na viagem até Reguengos de Monsaraz, a todos os participantes que tenham adquirido um passe para o festival. A partir de Reguengos de Monsaraz haverá ligações regulares para o Campinho.

Outra alternativa é a bicicleta, embora o percurso já esteja a ser feito, mas pode sempre apanhar a viagem a meio. A Cicloficina dos Anjos organizou o “Pedalanças”, um passeio de 160 quilómetros em bicicleta, divididos em três etapas e que partiu de Lisboa no início da semana.

Para quem não tem outra alternativa senão utilizar o automóvel, então a solução mais sustentável, alerta a organização, será partilhar a viagem com o maior número de pessoas possível. Para esse efeito, foi criado um grupo na página de Facebook do Andanças para partilha de boleias até ao festival.

Os bilhetes podem ser adquiridos online em www.andancas.net.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+