Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Setúbal

Festival Língua Terra homenageia cultura dos PALOP

31 mai, 2022 - 16:24 • Rosário Silva

Dois concertos e uma peça de teatro festejam a cultura dos países de língua oficial portuguesa, nos meses de junho e julho no Fórum Municipal Luísa Todi.

A+ / A-

O Festival Língua Terra abre as portas, em Setúbal, já a 3 de junho, com um concerto de Elida Almeida, um dos grandes nomes da nova geração de músicos de Cabo Verde.

A cantora vai apresentar um repertório “que funde os ritmos cabo-verdianos batuque, funaná, coladera e tabanka com os movimentos africanos e o estilo pop”, refere a Câmara Municipal de Setúbal, num comunicado enviado à Renascença.

Elida Almeida pisa o palco do Fórum Luísa Todi, para interpretar os êxitos do seu mais recente disco, “Gerasonobu”, numa noite que pretende “celebrar a identidade africana, temperada com energia latina”.

Desta forma, é dado o pontapé de saída para a segunda edição do projeto Língua Terra, do qual o município sadino é parceiro, que pretende fomentar as ligações culturais entre África, Europa e América Latina a partir de eventos artísticos e criar pontes entre os países de língua portuguesa.

“Neste segundo ano da produção em Portugal, o projeto Língua Terra irá expandir a presença além das apresentações musicais, incluindo na programação um espetáculo teatral”, realça a diretora artística do evento.

Para Mónica Cosas, “a ideia é que a cultura PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) seja celebrada em todas as formas de arte, contribuindo para a representatividade e identificação desta comunidade”.

O festival prossegue a 17 de julho, com a exibição da peça “Chovem Amores na Rua do Matador”, uma adaptação do conto homónimo de Mia Couto e José Eduardo Agualusa, que reflete “sobre o conflito entre um moçambicano e as culturas emergentes que incorporam as novas práticas sociais”.

A encenação tem dramaturgia do próprio Mia Couto e um elenco de atores moçambicanos formado por Angelina Chavango, Horácio Guiamba, Joana Mbalango, Josefina Massango e Violeta Mbilane.

A programação encerra a 23 de julho, com o espetáculo “A Narrativa”, no qual o cantor angolano Paulo Flores “compartilha com o público as influências e lembranças musicais da infância em Lisboa”.

O concerto inclui melodias que misturam o romantismo sonoro de Angola, Portugal, Brasil e Cabo Verde.

O serão tem abertura pela baterista, percussionista e compositora brasileira Simone Sou, que vai também apresentar a sua nova performance solo, que dá a conhecer “uma pesquisa da música do mundo e composições que abrangem poesia, ritmo e melodia inspirados nas manifestações brasileiras (afro-indígena)”.

Além das atuações de Paulo Flores e Simone Sou, a sessão de encerramento deste evento inclui um momento especial com a transmissão do minidocumentário “Língua Terra”. Foi realizado em 2021 e “contou com a participação do artista angolano e de uma equipa intercultural formada por representantes de países lusófonos”, anuncia o município.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+