A+ / A-

Livros proibidos durante o Estado Novo expostos em Lisboa

03 mai, 2022 - 05:39 • Lusa

A Biblioteca Nacional tem patente uma exposição inédita que mostra originais apreendidos e proibidos, durante o tempo de ditadura, em Portugal. Para ver até dia 03 de setembro.

A+ / A-

Uma exposição inédita de livros apreendidos e proibidos de circular pelos Serviços de Censura, durante a ditadura do Estado Novo, fica patente a partir desta terça-feira, na Biblioteca Nacional de Portugal (BNP), em Lisboa, e até 3 de setembro.

"Biblioteca da Censura: obras apreendidas e proibidas no Estado Novo", de entrada livre, mostra pela primeira vez originais apreendidos e proibidos, que foram recuperados da biblioteca da Censura e que apresentam marcas e rasuras feitas pelos seus agentes. São também apresentados relatórios de leitura dos censores.

A mostra inclui a peça sonora "No Escuro e à Escuta: A Censura e a Propaganda no Estado Novo", de Sofia Saldanha, com testemunhos dos escritores Luís de Sttau Monteiro, José Cardoso Pires e Bernardo Santareno, entrevistas e telefonemas entre censores.

De 1934 a 1974, a censura oficial do Estado Novo produziu mais de 10.000 relatórios de leitura de livros de autores portugueses, lusófonos e estrangeiros, em edição original ou tradução, que entravam em território internacional. A par da propaganda, da repressão exercida pelo Estado através da polícia política, do clima de medo e autocensura, a atuação da Censura "teve um impacto incomensurável não só no desenvolvimento das mentalidades e na vida intelectual do país, na produção e receção literárias, no quotidiano e obra dos escritores, mas também no legado que deixou às gerações vindouras", sublinha a BNP, na apresentação da mostra.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+