Tempo
|
A+ / A-

“Cuidado! Invasoras Aquáticas”

Exposição mostra espécies invasoras da Península Ibérica

07 mar, 2022 - 13:41 • Rosário Silva

A Universidade de Évora é uma das instituições que, em Portugal, colabora no projeto. A mostra de caracter itinerante pode ser visitada, até ao final do mês de agosto, no Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa.

A+ / A-

“Cuidado! Invasoras Aquáticas” é o titulo da exposição que já pode ser visitada no Museu Nacional de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa.

“A exposição, cujos conteúdos são apresentados em três línguas, é composta por mais de 50 painéis que mostram espécies aquáticas invasoras da Península Ibérica, o seu grau de ameaça à fauna e flora autóctones, bem como as consequências e o impacto ambiental, socioeconómico e sanitário que estas espécies causam”, explica, em comunicado enviado à Renascença, a Universidade de Évora (UÉ), a única instituição de ensino superior que, em Portugal, colabora neste projeto.

É desenvolvido pelo Museu Nacional de Ciências Naturais (CSIC) de Madrid, no âmbito do projeto ibérico LIFE INVASAQUA, o qual, além da academia alentejana, conta com a participação da ASPEA – Associação Portuguesa de Educação Ambiental e a SIBIC – Sociedade Ibérica de Ictiologia.

As espécies exóticas invasoras são, atualmente, uma das principais ameaças à biodiversidade aquática e aos serviços dos ecossistemas.

De acordo com a UÉ, “dentro da União Europeia (UE), os custos associados às espécies exóticas invasoras são de 12 mil milhões de euros por ano”, tendo o seu combate sido designado como um dos principais objetivos de gestão dos Ecossistemas da UE.

Os rios e estuários de Portugal e Espanha “contêm cerca de 200 espécies exóticas de fauna e flora, aumentando a uma taxa de cerca de duas espécies novas por ano”, é sublinhado.

Algumas destas espécies “têm grandes impactos económicos nos serviços dos ecossistemas e na biodiversidade, sendo importante aumentar a sensibilização para este problema”, alertam os promotores.


No que diz respeito a Portugal, algumas das espécies invasoras mais marcantes são, “o Siluro, um peixe que pode atingir 2,8 metros e 120 quilos de peso, o jacinto-de-água, o lagostim-vermelho-da-luisiana e o mexilhão-zebra”, sendo que este último “é um recém-chegado com potencial para, à semelhança do que sucedeu em Espanha, causar milhões de euros de prejuízos anuais”.

Alertar a sociedade civil e “diferentes grupos chave para a problemática das Espécies Exóticas Invasoras em ecossistemas aquáticos na Península Ibérica”, é o objetivo que orienta o projeto LIFE INVASAQUA.

Por outro lado, pretende-se também melhorar a gestão e reduzir os impactos destas espécies, “promovendo a difusão de informação e o intercâmbio de conhecimentos sobre soluções e práticas ambientais efetivas”.

Durante cinco anos, este projeto deverá contribuir para o aumento da sensibilização do publico em geral, “promovendo a formação dos setores envolvidos e criando um sistema internacional de deteção precoce e resposta rápida às espécies exóticas invasoras”.

A exposição “Cuidado! Invasoras Aquáticas” pode ser visitada na sala A042 do Museu nacional de História Natural e da Ciência, em Lisboa, até dia 31 de agosto.

No decorrer deste período, os promotores promovem também atividades educativas ligadas ao tema.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+