Tempo
|
A+ / A-

ÉVORA

Exposição “Alter(ação)” cruza a arte com diferentes áreas do conhecimento

19 mai, 2021 - 11:21 • Rosário Silva

A nova exposição da Fundação Eugénio de Almeida, que retrata questões da atualidade, já pode ser visitada no Centro de Arte e Cultura de Évora. “São questões para o futuro e o que este nos reserva”, explica a curadora Marta de Menezes.

A+ / A-

Uma série de obras nacionais e internacionais sobre temas relacionados com “a biodiversidade, o colapso de civilizações, a evolução, a adaptação da sociedade ao seu ambiente e a ecologia”, compõem a nova exposição “Alter(ação)” patente em Évora, no Centro de Arte e Cultura (CAC) da Fundação Eugénio de Almeida (FEA).

Para retratar estas questões da atualidade, a curadora Marta de Menezes desafiou um grupo de artistas a participar com os seus trabalhos na criação de uma experiência expositiva que se pretende seja marcante.

“São questões para o futuro e o que este nos reserva”, justifica a bio-artista portuguesa, que aceitou o repto para pensar uma exposição que “inscreve as relações entre arte, ciência, ambiente e sociedade no âmago da arte contemporânea”, refere uma nota da FEA, enviada à Renascença.

Alan Tod e Olga Kisseleva, Amy Youngs, Andy Gracie, António Caramelo, Brandon Ballengé, Carla Rebelo, Erich Berger, Felipe Shibuya e Pedro Cruz, Ken Rinaldo, Robertina Sebjanic e Lena Ortega, e Victoria Vesna, são os artistas representados na mostra que quer funcionar como uma espécie de “sistema imunitário de um organismo vivo”, que se vai transformando “com o ver e o sentir dos visitantes”, sublinha a curadora.

“De alguma forma as peças que foram trazidas a esta experiência falam-nos de perspetivas heterogéneas, em meios artísticos diversos e com ligações a áreas variadas das ciências do ambiente, da biologia, da geologia e outras”, acrescenta a responsável pela curadoria.

São “saberes e experiências”, alicerçados em distintas áreas do conhecimento, onde “se consegue sentir e estabelecer um rendilhado multidimensional de relações, de contactos, de visões”, lê-se na brochura que serve de apresentação à exposição.

Para os visitantes, a curadora espera que “Alter(ação)” possa ser vivida como uma experiência onde se comunga “a paixão por compreender e valorar a complexidade do mundo que nos rodeia e das inter-relações entre seres que connosco coabitam o planeta.”

Em síntese, as obras expostas refletem, de acordo com a curadora, “os tempos em que vivemos, os constrangimentos que enfrentamos, a vontade de repensar o que o futuro nos pode trazer e como seremos capazes de o navegar para construir uma existência melhor.”

Marta de Menezes é licenciada em Belas Artes pela Universidade de Lisboa, mestre em História da Arte e Cultura Visual pela Universidade de Oxford, e doutoranda na Universidade de Leiden. Tem vindo a explorar a interseção entre Arte e Biologia, trabalhando em laboratórios de investigação e demonstrando que novas tecnologias biológicas podem ser usadas como um novo meio para a arte.

Em 1999, Menezes criou a sua primeira obra de arte biológica ao modificar os padrões das asas de borboletas vivas. Atualmente é a diretora artística do Ectopia, um laboratório de arte experimental, em Lisboa, e diretora da Cultivamos Cultura, no Sul de Portugal.

“Alter(ação)” tem entrada livre e pode ser visitada entre terça-feira e domingo. Este fim-de-semana há visitas guiadas com a curadora. No sábado, dia 22, às 15h00, 16h00 e 17h00, e no domingo, às 10h00, 11h00 e 12h00. São visitas de participação gratuita, mas com o limite de cinco pessoas por sessão, daí que seja necessária inscrição prévia, que deve ser feita no CAC.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+