Tempo
|
A+ / A-

Profissionais da Cultura contestam abandono junto ao parlamento com flores e um caixão

21 abr, 2021 - 13:26 • Lusa

Ao fundo da escadaria da Assembleia da República, foi colocado um caixão branco, com uma coroa de flores e uma faixa onde se lê "Aqui jazem profissionais da Cultura, Artes e Eventos".

A+ / A-
Fotos: André Kosters/Lusa (clique na seta para percorrer a fotogaleria)
Fotos: André Kosters/Lusa (clique na seta para percorrer a fotogaleria)

Com um caixão branco e uma coroa de flores, alguns profissionais da Cultura manifestaram-se hoje, junto à Assembleia da República, em Lisboa, para lembrar o abandono a que o setor foi deixado em tempos de pandemia.

"Não estamos completamente mortos, ainda podemos acordar. Mas estamos numa situação muito complicada", disse Joana Saraiva, audiodescritora e atriz, à agência Lusa. "Estamos muito cansados e estamos a dizer as mesmas coisas há muito tempo".

O protesto, em forma de velório, começou às 10h00 e estender-se-á até às 17h00, em várias cidades do continente e ilhas.

Em Lisboa, ao fundo da escadaria da Assembleia da República, foi colocado um caixão branco, com uma coroa de flores e uma faixa onde se lê "Aqui jazem profissionais da Cultura, Artes e Eventos".

Junto ao caixão, vestidos de preto, estiveram, no começo deste protesto, seis profissionais da Cultura, que fazem parte do grupo informal Vigília Cultura e Artes, surgido já em contexto de pandemia.

O velório simbólico é por "todos aqueles que foram deixados ao abandono durante o último ano, todos aqueles que desistiram. Houve muita gente que neste ano teve de fazer muita coisa. Alguns deles nem sequer voltarão [às artes]", disse Joana Saraiva.

A atriz e professora de teatro conta que também ela recorreu aos apoios sociais extraordinários, em janeiro, e ainda está a aguardar resposta.

"São apoios à sobrevivência. Não estamos a pedir subsídios. Estamos a pedir um apoio à sobrevivência, extraordinário, para um tempo extraordinário. Temos carreira contributiva e nos momentos em que somos impedidos de trabalhar, seria expectável que houvesse um apoio universal e não cheio de cláusulas de exclusão que deixa de fora a maioria das pessoas", lamentou.

Das medidas políticas pensadas a longo prazo, que já deveriam estar em marcha, Joana Saraiva citou o estatuto do profissional e o mapeamento do setor.

"O mapeamento do setor é vital, porque é muito complexo, muito precário e muito pouco regulamentado. Estamos muito cansados e estamos a dizer as mesmas coisas há muito tempo", afirmou.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+