A+ / A-

Testemunho

Júlio Isidro sobre Nicolau Breyner: “Contava com tudo, menos com o seu desaparecimento"

14 mar, 2016 - 17:52

Nicolau Breyner morreu esta segunda-feira aos 75 anos. Júlio Isidro recorda uma pessoa “com uma enorme honestidade moral e dedicação”.

A+ / A-

"O que recordo é o grande actor, em todos os aspectos da arte de representar, na tragédia, na comédia, no drama, que foi o Nicolau.

Esteve sempre bem-disposto e capaz de encarar todos os desafios. Fez tudo o que tinha para fazer. Foi realizador de televisão, de cinema, foi um homem com múltiplas actividades. Tinha uma ideia muito curiosa sobre o nosso trabalho, dizia que isto era um ofício. Fez da vida um ofício de representar e sobretudo de comunicar.

Estou em estado de choque, o Nicolau estava na minha lista, nem é dos inesquecíveis, é dos imperecíveis. Não estava na lista das pessoas que podiam desaparecer. Podíamos contar com tudo, menos com o seu desaparecimento.

Recuando todas as vezes que tive com ele, aquilo que me lembrei ainda há pouco, foi o primeiro convívio que tive enquanto actor acabado de chegar aos teatros. Cruzava-me com ele no ginásio Hércules, talvez o primeiro ginásio onde se praticava bodybuilding, na zona da Avenida de Roma. Ele ia para lá para emagrecer e eu para engordar.

Devo dizer que era uma pessoa com uma enorme honestidade moral e dedicação. Estou com alguma dificuldade em articular mais do que isto.

É incrível que estas coisas aconteçam. Não é só a notícia que não queremos ouvir, é a notícia que nós nunca imaginamos que iremos ouvir."

Esta é a transcrição de um comentário feito por Júlio Isidro à Renascença, de reacção à notícia da morte de Nicolau Breyner.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Miguel Botelho
    14 mar, 2016 Lisboa 20:05
    Por favor, sejam mais sinceros e digam: «Eu esperava que ele vivesse para sempre!» É mais bonito.

Destaques V+