Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Testemunho

Simone de Oliveira sobre Nicolau Breyner: "A ficção nacional deve-lhe tudo"

14 mar, 2016 - 17:45

A actriz reage à morte de Nicolau Breyner, que faleceu esta segunda-feira, aos 75 anos.

A+ / A-

"Estou muito aflita, fomos todos apanhados de supetão.

Meu Deus, não sei… Conhecia o Nicolau há 50 anos, sou mais velha que ele, como toda a gente sabe, era um actor extraordinário, era um director de actores brilhante (fui dirigida por ele). Teria sido um cantor extraordinário se quisesse ter cantado.

A ficção nacional deve-lhe tudo, foi ele que começou, foi ele que sonhou, que imaginou.

Era um colega exemplar, apanhei talvez a fase com mais graça da vida dele, com as suas pequenas e grandes bebedeiras, passe o termo. Era incapaz de ser mau colega, era incapaz de fazer uma sacanice. Era um amigo de quem vou ter uma saudade enorme, inteira, absoluta, e para ser muito franca não sei se sou capaz de ir à Igreja pôr-lhe uma flor, não sei se sou capaz.

Eu sempre o tratei por João Nicolau e não por Nico e ele sempre me tratou por Maria Saudade. Não há muito tempo fizemos uma telenovela onde estava o Ruy de Carvalho e ele diz-me assim baixinho: “Ó Maria Saudade, tu não sabes a actriz que és”. Não é nada, mas ouvir isto de um homem que é, e continua a ser, para mim, um actor extraordinário, a única coisa que eu gostava de acreditar – e ele era católico e dizia sempre que não tinha medo de morrer – se chegar lá acima onde estiver o Varela, que lhe dê um grande abraço e um grande beijo por mim e que consigam dizer poesia e que ele consiga olhar cá para baixo e olhar para todos nós que pintamos a cara.

Tenho de dar uma palavra especial a todos os colegas que têm falado dele, mas se me permitem ao Senhor Presidente da República, porque é a primeira vez que um Presidente da República se lembra daqueles que pintam a cara. Interrompeu os seus trabalhos em Belém para vir dizer que o Nicolau era seu amigo e lhe mandava um abraço. E isso penso que nenhum de nós que pinta a cara se vai esquecer, porque normalmente em relação aos políticos só servimos quando há eleições.

Tenho uma grande, grande vontade de chorar. João Nicolau, até um dia, dá um grande beijo por mim a todos os que estiverem aí contigo. Até logo."

Esta é a transcrição de um comentário feito por Simone de Oliveira à Renascença, de reacção à notícia da morte de Nicolau Breyner.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Miguel Botelho
    14 mar, 2016 Lisboa 21:14
    De facto, não há maior espectáculo como este... Desde a tomada de posse de Marcelo, à marcha dos suinicultores até Lisboa, passando pelo congresso do CDS-PP em Gondomar e as lágrimas amargas de Paulo Portas. Quando menos se esperava, morre o «Nico» e cai o pano. Fim do espectáculo.

Destaques V+