Tempo
|
A+ / A-

Sporting

Comissão de Fiscalização lembra que "decisões judiciais sucessivas" deram-lhe legitimidade

19 jul, 2018 - 16:07

Recado a Bruno de Carvalho e Carlos Vieira, que estão suspensos de sócios provisoriamente e, segundo os estatutos, não se podem candidatar à presidência do Sporting.

A+ / A-

A Comissão de Fiscalização do Sporting emitiu, esta quinta-feira, comicado a rebater as "afirmações e acusações" feitas por candidatos à presidência do clube, nomeadamente Bruno de Carvalho e Carlos Vieira.

No site oficial do clube, a Comissão começa por sublinhar que "tem a legitimidade sufragada por decisões judiciais sucessivas" e que o regulamento disciplinar aplicado no caso das suspensões provisórias aos dois candidatos "encontra-se em vigor desde a data em que foi aprovado, por iniciativa do anterior Conselho Diretivo, presidido pelo Dr. Bruno de Carvalho, a 17 de fevereiro de 2018, consoante o artigo 23.º".

A Comissão salienta que a suspensão de Bruno de Carvalho e de Carlos Vieira, anteriores membros do Conselho Diretivo do Sporting, "resulta de uma participação de sócios com plenos direitos e encontra-se na sua fase final de averiguação". As candidaturas de ambos à presidência do Sporting estão pendentes da decisão final do órgão de fiscalização.

De qualquer modo, a Comissão de Fiscalização (CF) garante que a resolução do processo "será comunicada oportunamente, dependendo, entre outros, da colaboração dos testemunhos dos visados".

"A CF não comenta a especificidade de processos a correr e espera de todos, incluindo os visados, algum recato de forma a poder concluir-se com êxito o desígnio comum, que se materializa no superior interesse do Sporting Clube de Portugal", conclui o órgão de fiscalização.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Silva
    23 jul, 2018 Paço de Arcos 19:23
    Não houve até hoje nenhuma decisão judicial definitiva. Apenas despachos de deferimento de providências cautelares. Eu no lugar da comissão de fiscalização e do comendador demissionário tinha muito cuidado...

Destaques V+