Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Marcha Silenciosa

Marcha silenciosa em várias cidades. "As crianças não são do Estado, são nossas"

22 fev, 2024 - 16:26 • Isabel Pacheco

O movimento “Acordai! Pelas nossas crianças”, lançado pela Associação Família Conservadora, promove o protesto em Braga, Viana do Castelo, Porto, Lisboa e Faro. Objetivo: contestar a imposição da "ideologia de género" na escola pública e alertar as famílias para a "endoutrinação" dos alunos.

A+ / A-

O movimento “Acordai! Pelas nossas crianças” - apartidário e que agrega várias associações do país - organiza este sábado uma "marcha silenciosa" contra a imposição da lei de autodeterminação de género na escola pública.

Os promotores dizem que se pretende alertar as famílias para a "endoutrinação” dos alunos e marcaram o protesto para Braga, Viana do Castelo, Porto, Lisboa e Faro.

Em declarações à Renascença, Cibelli Almeida, uma das coordenadoras da marcha em Braga e vice-presidente da Associação Família Conservadora, diz que "é ideologia pura que está a ser colocada nas cabeças das crianças, confundindo-as”.

“Essa doutrinação clara”, acusa, está a fazer da escola “um campo político”, mas “as crianças não são do Estado, são nossas”. Em causa está a abordagem da “sexualidade” em “idade precoce” nas escolas, muitas vezes “com o desconhecimento e à revelia dos pais”, sublinha aquela responsável, para quem “há dois sexos claramente definidos, homem e mulher. A partir daí, as pessoas inventam inúmeros géneros. Isso confunde as crianças e nós não queremos que as crianças estejam nesse ambiente”.

Sob o lema "A família educa, a escola ensina, a marcha silenciosa pretende ser um “protesto da sociedade civil” contra a lei de autodeterminação de género na escola pública, que prevê, entre outras coisas, a escolha de um nome próprio neutro e a criação de casas de banho e balneários mistos nos estabelecimentos de ensino. Cibelli Almeida não esconde que isso, em particular, é uma preocupação. “Uma das coisas contra a qual estamos a lutar é a ideia de casas de banho mistas. Trata-se de uma medida que não é sensata, nem é segura para as crianças”.

No início do ano a lei de autodeterminação de género na escola pública foi devolvida pelo Presidente da República ao Parlamento, para apreciação, mas “os deputados dos partidos responsáveis pela lei mantêm a intenção de concretizar a sua agenda” depois das eleições de 10 de março, sublinham os promotores do protesto marcado para este sábado, acrescentando que “à luz do que já vimos acontecer em vários países que fizeram este caminho, é hora das famílias se levantarem e expressarem o seu desacordo”.

A "marcha silenciosa pelas nossas crianças" tem início previsto para as 15h00 deste sábado: em Viana do Castelo o encontro está marcado para a Praça da República, com desfile até ao Parque da Marina; no Porto irá da Rua de Santa Catarina até à Câmara Municipal; em Lisboa começa no Parque Eduardo VII e marcha até ao Rossio; em Braga, decorre ao longo da Praça da República; e em Faro começa junto ao Tribunal (Rotunda das Flores) para terminar no Jardim Manuel Bívar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria de Mello
    25 fev, 2024 Cascais 23:31
    A ideologia de género é mais uma trapaça fos esquerdistas para fragilizarem crianças e jovens e assim os manipulável e explorarem. Nem se percebe gomo se atrevem a questionar a autoridade dos Pais! Para tal teriam de alterar a Constituicao e transformar nos a todos em .... escravos! Q é aliás o q as pessoas são em TODOS os países comunistas. Acresce q alguns países ditos civilizados como o Canadá, a Austrália e o Reino Unido é p lá q caminham.
  • palmela
    24 fev, 2024 palmela 21:24
    por enquanto parece que so a dr margarida e bruno fialho fizeram questao de estar presentes na marcha pelas crianças! a desculpa nao pode ser as campanhas eleitorais eu ja ha muito tempo que sabia que a marcha iria acontecer se os partidos nao se interessaram em ir e porque tambem nao se interessam pelo o bem estar das crianças!
  • Maria
    24 fev, 2024 Palmela 15:09
    Quero ver onde estao os politico" corajosos que se vao juntar a marcha Silenciosa!

Destaques V+