Tempo
|
A+ / A-

Bispo emérito australiano acusado de abuso sexual de crianças

22 fev, 2024 - 11:35 • Olímpia Mairos

Os alegados crimes terão acontecido entre 2008 e 2014.

A+ / A-

O bispo emérito de Broome, no noroeste da Austrália, Christopher Saunders, compareceu esta quinta-feira em tribunal na remota Austrália Ocidental, sob a acusação de crimes sexuais contra crianças, incluindo duas acusações de violação.

Segundo a AFP, o prelado foi detido na quarta-feira à noite no estado da Austrália Ocidental após uma investigação interna do Vaticano que acionou a polícia que investiga crimes de abuso infantil.

De acordo com a polícia da Austrália Ocidental, os detetives do Esquadrão de Abuso Infantil acusaram um homem de Broome, de 74 anos, de 19 crimes, incluindo dois de penetração sexual sem consentimento, um termo jurídico para violação, e 14 de atentado ao pudor.

O presidente da Conferência Episcopal Católica Australiana, o arcebispo Timothy Costelloe, já disse que a Igreja continuará a cooperar com a polícia.

As alegações contra o ex-bispo de Broome, Christopher Saunders, são muito sérias e profundamente angustiantes, especialmente para aqueles que fazem essas alegações”, disse em comunicado, citado pela Reuters.

Segundo a acusação, os alegados crimes aconteceram entre 2008 e 2014.

Christopher Saunders esteve mais de 20 anos à frente da diocese de Broome, uma região do noroeste da Austrália com várias comunidades aborígenes em áreas remotas, e renunciou, em 2020, ao cargo de bispo, após a imprensa local ter publicado as primeiras denúncias de abuso sexual, tendo continuado com o título de “bispo emérito”.

Uma investigação policial preliminar não encontrou evidências suficientes para acusar Saunders, que nega as denúncias. Porém, com os rumores persistentes entre o clero, o Vaticano iniciou em 2022 sua própria investigação, com base nas novas atribuições estabelecidas pelo Papa Francisco.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+