Tempo
|
A+ / A-

Bispo de Beja alerta para o drama do isolamento

06 fev, 2024 - 08:42 • Olímpia Mairos

A renúncia quaresmal será destinada, em partes iguais, aos cristãos da faixa de Gaza e às obras na casa episcopal, “preparando-a para receber o novo bispo”.

A+ / A-

O bispo da Diocese de Beja alerta, na sua mensagem quaresmal, para o drama dos que vivem sós e pede um olhar compassivo para com os mais velhos.

“É impressionante o isolamento em que tantas pessoas vivem, no território da nossa diocese. De acordo com os dados dos Censos de 2021, quase 25.000 pessoas vivem sozinhas e destas, mais de 55% têm idade superior a 65 anos”, diz D. João Marcos.

“Se amamos os irmãos, preocupamo-nos com eles, sabemos onde eles estão e como vivem”, assinala, advertindo, por outro lado, que “quando se deixa de ter Deus no horizonte, o ser humano acaba sozinho”.

D. João Marcos alude ainda aos “tempos difíceis” que vivemos com “guerras e mais guerras entre as nações, algumas mais conhecidas e comentadas diariamente e outras quase desconhecidas”.

“Entre nós, a corrupção também é notícia: a nossa sociedade está doente, em desagregação”, aponta, observando, que “o casamento não resiste às crises normais da vida e o divórcio, apresentado como solução, transforma a existência de muitas pessoas numa experiência de sucessivas frustrações”.

“As pessoas perguntam-se com razão acerca do futuro deste país e desta sociedade. Haverá ainda lugar para a Esperança?”, escreve.

Na mensagem para a Quaresma, D. João Marcos anuncia também que o fruto da renúncia quaresmal será destinado “50% aos cristãos da faixa de Gaza e 50% a obras na casa episcopal, preparando-a para receber o novo bispo”.

O prelado indica ainda que a renúncia quaresmal do ano passado “rendeu 13.600,27 euros, os quais foram destinados à participação na Jornada Mundial da Juventude e aos católicos na Ucrânia”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+