Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Libertadas freiras raptadas no Haiti

25 jan, 2024 - 09:20 • Olímpia Mairos

País enfrenta um novo aumento da violência e a capital está paralisada por bloqueios e barricadas. Vice-presidente da Conferência Episcopal Haitiana apela ao cessar “de todos os atos de violência e agressão contra a população”.

A+ / A-

As seis religiosas da Congregação das Irmãs de Santa Ana que foram sequestradas no dia 19 de janeiro, no Haiti, já foram libertadas.

A notícia está a ser avançada pela agência de notícias Sir que cita o bispo de Anse-à-Veau-Miragoâne e vice-presidente da Conferência Episcopal Haitiana, D. Pierre-André Dumas.

Desconhece-se até ao momento em que circunstâncias ocorreu a libertação e se a polícia do país interveio para este desfecho. Os sequestradores chegaram a pedir três milhões de dólares em troca da libertação das freiras e do seu motorista.

Recorde-se que no passado domingo, o Papa Francisco lançou um apelo, com vista à libertação das religiosas e um convite à “harmonia social no país”, pedindo a todos que “acabem com a violência, que tanto sofrimento causa àquela querida população” e, na quarta-feira, a Igreja do Haiti viveu um dia de oração pela libertação de todas as pessoas sequestradas.

O país enfrenta um novo aumento da violência e a capital está paralisada por bloqueios e barricadas. Por isso, o vice-presidente da Conferência Episcopal Haitiana apela ao cessar “de todos os atos de violência e agressão contra a população”.

“Que o Estado responda de forma mais eficaz e eficiente à sua missão e deveres soberanos! Que nunca mais possamos testemunhar estes graves ataques à dignidade da pessoa humana! Que a nossa pátria Haiti vire esta página de uma história dolorosa e comece novamente a ter esperança! Trabalhemos todos pela ressurreição histórica do nosso povo!”, lê-se na mensagem divulgada pela Sir.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+