A+ / A-

Papa propõe um balanço do Ano diferente da mentalidade mundana

31 dez, 2023 - 17:02 • Aura Miguel

No final da cerimónia, Francisco foi ao exterior da Basílica saudar alguns fiéis e deteve-se alguns minutos junto ao presépio, onde a banda dos guardas suíços tocou uma música. Percorreu o perímetro sempre de cadeira de rodas, rodeado de seguranças, mas sempre sorridente.

A+ / A-
Papa Francisco. Homília do
Papa Francisco. Homília do 'Te Deum'

“A fé permite-nos viver esta hora de forma diferente de uma mentalidade mundana”, disse esta tarde o Papa na Basílica de São Pedro. Na homilia do 'Te Deum' a que presidiu, em ação de graças pelo ano que termina, Francisco falou da gratidão e da esperança que brotam do nascimento de Jesus alertando, no entanto, que são duas palavras habituais para se fazer o balanço do Ano, mas usadas de um modo mundano. Porquê? Porque “lhes falta a dimensão essencial da relação com o Outro e com os outros, com Deus e com os irmãos. Muitos estão focados no eu, nos seus interesses e assim tem o fôlego curto, não vão além da satisfação e do otimismo”, afirmou.

Para o Papa, ter “gratidão e esperança” não é uma questão de otimismo, é outra coisa: “é fé no Deus fiel às suas promessas que assume a forma da esperança na dimensão do tempo e em caminho”.

Nesta homilia, o Santo Padre dirigiu-se também à cidade de Roma, que se prepara para assinalar o Jubileu de 2025 com o tema “Peregrinos de Esperança”. Francisco espera que o Ano Santo transforme a capital italiana em “cidade de esperança”, através do testemunho da comunidade eclesial e civil: “testemunho que, mais do que nos eventos, consiste no estilo de vida, na qualidade ética e espiritual da convivência”.

Neste contexto, o Papa espera um reforço no acolhimento aos que visitarão a Praça e a Basílica de São Pedro e que, no famoso centro histórico de Roma, “também os idosos ou pessoas com alguma deficiência motora possam desfrutá-lo”. Porque “uma cidade mais habitável para os seus cidadãos é também mais acolhedora para todos”, afirmou.

No final da cerimónia, Francisco foi ao exterior da Basílica saudar alguns fiéis e deteve-se alguns minutos junto ao presépio, onde a banda dos guardas suíços tocou uma música. Percorreu o perímetro sempre de cadeira de rodas, rodeado de seguranças, mas sempre sorridente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+