Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

D. José Ornelas critica pressa na aprovação da lei da autodeterminação de género nas escolas

19 dez, 2023 - 22:57

Bispo de Leiria-Fátima considera que “nenhuma criança deve ser discriminada pelas suas opções sexuais”, mas é preciso ouvir os pais e a comunidade científica e médica.

A+ / A-
D. José Ornelas lamenta pressa na aprovação da lei da autodeterminação de género nas escolas

Nenhuma criança deve ser discriminada, mas uma matéria tão sensível como a lei de autodeterminação de identidade de género nas escolas não devia ter sido aprovada pelo Parlamento em fim de legislatura, defende o bispo de Leiria-Fátima.

D. José Ornelas reagiu esta terça-feira à decisão dos deputados, que aprovaram a legislação a poucas semanas da dissolução da Assembleia da República, que vai acontecer a 15 de janeiro.

O também presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) considera que “nenhuma criança deve ser discriminada pelas suas opções sexuais”, mas é preciso ouvir os pais e a comunidade científica e médica.

“Este tem de ser, antes de mais, um problema sério de saúde, porque numa altura em que as crianças estão a crescer, na adolescência, quando se afirma toda esta dimensão importante da sexualidade, que não enveredem por caminhos apressados que exigem discernimento. E aí, os pais e a ciência médica e a psicologia devem ter um papel muito mais ativo do que aquilo que a lei prevê.”

D. José Ornelas considera que a questão da autodeterminação de género nas escolas “não pode ser simplesmente uma questão legislativa e dizer que cada um tem a liberdade de escolher, mas deve cuidar com a responsabilidade que os pais cuidam, a cuidar do futuro”.

Para o bispo de Leria-Fátima, uma lei tão sensível não devia ser aprovada “em fim de legislatura”. “Não cheira bem”, afirma.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+