Tempo
|
A+ / A-

Dia Mundial da Pobreza

Francisco Assis reflete sobre papel da Igreja na crise

14 nov, 2023 - 11:39 • Henrique Cunha

O Presidente do Conselho Económico e Social (CES) é convidado da Paróquia de Monte Gordo, Diocese do Algarve para refletir acerca do «lugar da Igreja face aos desafios socioeconómicos hodiernos».

A+ / A-

O presidente do Conselho Económico e Social (CES), Franciasco Assis, é convidado da paróquia de Monte Gordo, na diocese do Algarve, para refletir acerca do "lugar da Igreja face aos desafios socioeconómicos hodiernos".

O paróco de Monte Gordo, Tiago Eira Pereira, revela que a iniciativa, marcada para quarta-feira, 22 de novembro, se insere na comemoração do VII Dia Mundial dos Pobres, que se assinala no domingo.

Em declarações à Renascença, o sacerdote diz que a atividade “pretende sobretudo ser uma noite de reflexão acerca da situação que o nosso país está a enfrentar e que resposta é que a Igreja poderá dar perante todas as crises que estamos a viver”.

"O Papa Francisco em vários textos fundamentais tem alertado a Igreja para a complexidade do nosso tempo histórico e como a Igreja é chamada a estar presente para acudir a todos, de forma especial os frágeis e limitados como são os mais pobres."

Ao presidente do CES, Francisco Assis “foi pedido que a ajude a Igreja a pensar a que desafios deve responder”.

A iniciativa foi agendada antes da crise politica e da demissão do Governo, mas a paróquia decidiu mantê-la porque “é bom que os cristãos estejam atentos ao que se passa à sua volta".

“E para estarmos atentos precisamos de pessoas credenciadas como é o caso do Presidente do Conselho Económico e Social para nos ajudarem a refletir sobre o porquê da nossa ação”, e sobre como podemos ajudar a sociedade a intervir perante as novas pobrezas que vão surgindo porque, como sabemos hoje em dia a pobreza está sempre em mutação”, reforça o pároco de Monte Gordo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+