Tempo
|
A+ / A-

Sínodo

Papa diz que a Igreja está "em pausa". A prioridade não é falar, é escutar

04 out, 2023 - 21:37 • Aura Miguel

No arranque do Sínodo dos Bispos, o Santo Padre apelou ao discernimento, porque “é o Espírito Santo que toma conta da Igreja e cria a tão desejada harmonia”.

A+ / A-

“Nesta assembleia sinodal, a prioridade é a da escuta”, disse esta quarta-feira o Papa Francisco no arranque dos trabalhos do Sínodo, que se prolongam no Vaticano até 29 deste mês de outubro.

O Santo Padre apelou ao discernimento, porque “é o Espírito Santo que toma conta da Igreja e cria a tão desejada harmonia”.

Depois, pediu encarecidamente a todos os participantes: “por favor, não alinhem em mexericos, não entristeçam o Espírito Santo e saibam discernir as vozes mundanas, porque a maior doença da Igreja é a mundanidade espiritual”.

“A Igreja é uma harmonia de vozes, com diversas particularidades. E se, porventura, não estás de acordo com o que diz aquele bispo, sacerdote, freira ou leigo, diz-lhe cara-a-cara. É para isso que há um sínodo”, afirmou o Papa.

Francisco também deixou um recado aos profissionais da comunicação que têm protestado por haver poucos momentos previstos na agenda para encontros públicos com os media: “É preciso uma ascese – desculpem-me se falo assim aos jornalistas – é preciso um certo jejum da palavra pública para salvaguardar isto”.

O Papa acrescenta que “alguns dirão que os bispos têm medo e é por isso que não querem a participação de jornalistas. Não, o trabalho dos jornalistas é muito importante, mas a nossa prioridade não é falar, é escutar”.

Por isso, “agradeço que nos ajudem a todos nesta pausa da Igreja. É uma pausa para toda a Igreja em escuta. Esta é a mensagem mais importante”, concluiu o Santo Padre.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+