Tempo
|
A+ / A-

JMJ 2023

Papa Francisco aos jesuítas portugueses. "Jesus é muito claro: todos"

28 ago, 2023 - 16:27 • Cristina Nascimento

Foi divulgada esta segunda-feira o conteúdo da conversa que o Papa Francisco manteve com os cerca de 100 elementos da comunidade dos jesuítas em Portugal, no encontro privado que teve lugar em Lisboa, no Colégio de São João de Brito.

A+ / A-

O Papa Francisco esclarece que o repto lançado em Lisboa, na Jornada Mundial da Juventude (JMJ), para a inclusão de “todos, todos, todos” na Igreja é para todos, seja qual for a sua idade, género ou orientação sexual.

“Penso que o apelo dirigido a ‘todos’ não tem discussão. Jesus é muito claro: todos”, disse Francisco no encontro privado que manteve com elementos da Companhia de Jesus, ordem a que pertence, como é habitual fazer em todos os países que visita.

Durante cerca de uma hora, no Colégio de São de Brito, em Lisboa, o Papa encontrou-se com perto de uma centena de padres, irmãos e outros elementos da comunidade, num diálogo que pediu que fosse aberto. “Perguntem o que quiserem”, disse Francisco.

O conteúdo do encontro é revelado agora esta segunda-feira, pela revista italiana “La Civiltà Cattolica” e pelo portal dos jesuítas em Portugal Ponto SJ.

Um dos jesuítas que teve oportunidade de lançar uma pergunta a Francisco foi João que, remetendo para o “todos, todos, todos” proferido pelo Papa no Parque Eduardo VII, descreveu o trabalho que faz no centro de Coimbra com jovens universitários “muito comprometidos com a Igreja, com o centro, muito amigos dos jesuítas, mas que se identificam como homossexuais”. João assegura que estes jovens “sentem-se parte ativa da Igreja, mas muitas vezes não veem na doutrina a maneira de viver a sua afetividade, e não veem no apelo à castidade um apelo pessoal ao celibato, mas sim uma imposição”.

Este jovem questiona ainda o Papa sobre como podem, “em termos pastorais, agir para que estas pessoas se sintam, no seu modo de vida, chamadas por Deus a uma vida afetiva sã e que produza frutos”.

Na resposta, Francisco reafirma que “o apelo dirigido a ‘todos’ não tem discussão. Jesus é muito claro: todos”. Já sobre a forma como os padres podem acompanhar, por exemplo, os homossexuais, Francisco aconselha ajudar “as pessoas a viver de forma a poderem ocupar esse lugar com maturidade, e isto aplica-se a todo o tipo de pessoas”.

O Papa foi também questionado sobre as críticas de que muitas vezes é alvo, até por figuras mais altas da Igreja.

“No ano passado passei um ano sabático nos Estados Unidos. Houve uma coisa que me impressionou muito e que, por vezes, me fez sofrer. Vi muitos, mesmo bispos, a criticar a sua maneira de conduzir a Igreja”, descreveu Francisco, um jesuíta português.

Sobre este tema, o Papa reconheceu que “nos Estados Unidos a situação não é fácil” e aproveitou a oportunidade para “lembrar a estas pessoas que voltar atrás é inútil”.

“Há quem se ponha de lado, quem ande para trás, são aquilo a que chamo ‘retrocedistas’. Quando se anda para trás, forma-se algo fechado, desligado das raízes da Igreja e perde-se a seiva da revelação”, acrescenta o Papa.

"Guerras" no centro das preocupações do Papa

Francisco foi ainda questionado sobre quais são as suas maiores preocupações.

“Obviamente que uma coisa que me preocupa muito, sem dúvida, são as guerras. Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, as guerras são incessantes em todo o mundo. E hoje vemos o que está a acontecer no mundo. Escusado será acrescentar palavras”, respondeu.

Neste relato agora tornado público, a última das nove perguntas dirigidas ao Papa foi sobre “qual é o papel [dos jesuítas] para colher os frutos desta Jornada Mundial da Juventude”.

O Papa reconhece que a JMJ “está a envolver muitos jovens em Portugal” e que é preciso garantir que essa “inquietação não se transforme numa memória do passado”.

Francisco descreveu a JMJ como “uma sementeira no coração de cada rapaz e rapariga" que deve “dar frutos”.

“Peço-vos que continuem, com os jovens que estão presentes, mas também com aqueles que não participaram. Aqui a água foi bem agitada, e o Espírito Santo aproveita para tocar os corações. Cada um destes jovens sai diferente, esta ‘diversidade’ deve ser mantida. E agora é a vossa vez: acompanhem-nos para que se mantenha e cresça”, incentivou.

104 horas em 104 segundos. Os melhores momentos do Papa na JMJ
104 horas em 104 segundos. Os melhores momentos do Papa na JMJ
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+