A+ / A-

Encontro do Papa com vítimas de abusos é a "confirmação do caminho de reconciliação"

02 ago, 2023 - 21:55 • Ricardo Vieira

Conferência Episcopal Portuguesa reforça compromisso de colocar "as pessoas vítimas em primeiro lugar, colaborando na sua reparação e recuperação, de forma que lhes seja possível olhar o futuro com esperança e liberdade renovadas".

A+ / A-

Veja também:


O encontro do Papa Francisco com vítimas de abusos sexuais na Igreja Católica em Portugal é a "confirmação do caminho de reconciliação", afirma a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), em comunicado divulgado esta quarta-feira à noite.

"Este encontro do Santo Padre representa a confirmação do caminho de reconciliação que a Igreja em Portugal tem vindo a percorrer neste âmbito, colocando as pessoas vítimas em primeiro lugar, colaborando na sua reparação e recuperação, de forma que lhes seja possível olhar o futuro com esperança e liberdade renovadas", sublinham os bispos portugueses.

O Papa Francisco recebeu esta quarta-feira com vítimas de abusos na Igreja em Portugal.

"O encontro decorreu num clima de escuta intensa e durou mais de uma hora, concluindo-se pouco depois das 20h15", refere o Vaticano, em comunicado.

O Santo Padre ouviu 13 testemunhos de vítimas de todo o país.

"Hoje à noite, no final dos encontros institucionais e com a Igreja, o Papa Francisco recebeu na Nunciatura um grupo de 13 pessoas, vítimas de abusos por parte de membros do clero, acompanhadas por alguns representantes das instituições da Igreja portuguesa responsáveis pela proteção de menores", indica o Vaticano.

O encontro aconteceu na Nunciatura de Lisboa, após uma oração de vésperas com membros do clero no Mosteiro dos Jerónimos, onde o Papa disse que a Igreja deve "escutar e acolher" as vítimas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+