Tempo
|
A+ / A-

"Deus chamou-nos à JMJ", dizem jovens italianos

28 jul, 2023 - 06:46 • Teresa Paula Costa

Fátima com milhares de jovens entusiasmados em participar na Jornada Mundial da Juventude.

A+ / A-

Em Fátima encontram-se já milhares de jovens oriundos de vários países que vão participar na Jornada Mundial da Juventude (JMJ).

Alguns estão em famílias de acolhimento, outros ficaram alojados em instalações disponibilizadas pela junta de freguesia e pela paróquia de Fátima.

Foi o caso de um grupo de perto de duas centenas de jovens italianos que pernoitam numa das escolas da cidade.

Alexandro Milani tem 18 anos e vai participar pela primeira vez na Jornada Mundial da Juventude.

Em declarações à Renascença, confessou estar muito “entusiasmado” com esta nova experiência.

Para o jovem oriundo da região de Veneto, o mais importante é “acolher tudo o que encontro e todas as emoções que trago e experienciar todos os acontecimentos”. Por outro lado, espera “fazer novos amigos” e “tentar compreender a cultura de todas as pessoas que aqui estão”.

O grupo já visitou alguns dos locais religiosos da Cova da Iria e vai aceitar as propostas que o santuário preparou.

Para Giovani Bruno, também da região italiana de Veneto, a razão pela qual estão todos em Portugal é muito clara.

“Deus chamou-nos a este evento”, disse o jovem que está entusiasmado com esta sua primeira experiência já Jornada Mundial da Juventude.

Franceses, polacos, espanhóis, italianos... peregrinos de várias nacionalidades estão estes dias em Fátima. São os jovens que escolheram conhecer melhor a Cova da Iria durante a JMJ.

A organização da JMJ espera reunir em Lisboa e Loures, de 1 a 6 de agosto, perto de um milhão de jovens de todo o mundo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+