Tempo
|
A+ / A-

JMJ Lisboa 2023

"Onde está a misericórdia?", pergunta instituição de apoio ao recluso

25 jul, 2023 - 09:57 • Henrique Cunha

A pergunta consta de um folheto que a Obra Vicentina de Auxílio aos Reclusos (OVAR) vai distribuir durante a Jornada Mundial da Juventude. O objetivo é alertar para a realidade das prisões no nosso país.

A+ / A-

O panfleto terá versão em português e também em inglês.

O texto começa por assinalar que “os confessionários da JMJ foram construídos por presos” para depois lembrar que “Portugal é dos países europeus com mais presos por 10 mil habitantes” e que no nosso país “os presos que trabalham, que são uma minoria, recebem menos de 1 euro por hora”.

Depois, o folheto denuncia que “as prisões estão a 97 por cento da sua capacidade total”, que “as prisões custam ao Estado aproximadamente 300 milhões de euros por ano” e que “há reclusos que cumprem mais do que 25 anos de penas consecutivas”.

A Obra Vicentina de Auxílio ao Recluso afirma que “existem enormes limitações no apoio jurídico” e pergunta “onde está a misericórdia”.

Na segunda página do seu folheto, a OVAR afirma que “as prisões desumanizam os reclusos, não os ressocializa nem promovem a paz social” e avança com algumas sugestões de mudança.

Afirmando que “a religião católica está assente nos pilares do perdão e da misericórdia; a instituição que foi distinguida em 2018 pela Assembleia da República com o Prémio de Direitos Humanos, pede a “afirmação dos valores de ética e cidadania”, sugere a “prevenção de conflitos em vez de repressão” e a promoção da “cultura dos valores da liberdade, igualdade, fraternidade, paz e tolerância em substituição do ódio, vingança, egoísmo, violência e insensibilidade”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    27 jul, 2023 Porto 13:34
    Vocês não se calam, bem haja!
  • Susana
    26 jul, 2023 Lisboa 18:47
    Gostaria de saber quem vou ser os reclusos que vão ser beneficiados beneficiados com o perdão que o papa que Deus
  • Maria
    25 jul, 2023 Palmela 10:26
    Andar a deriva no mar durante 20 dias e milagre! Mas provocar um terramoto na turquia por mao propria e uma coisa muito estranha!

Destaques V+