A+ / A-

Memorial às vítimas de abusos na Igreja. "Não houve passo atrás", diz D. Américo Aguiar

11 jul, 2023 - 11:56 • Redação

"Cabe à Conferência Episcopal tomar essas decisões" sobre o monumento, a cargo do arquiteto Siza Vieira.

A+ / A-

O bispo auxiliar de Lisboa, D. Américo Aguiar, garantiu esta terça-feira que "não foi dado passo atrás" quanto ao memorial dedicado às vítimas de abusos na Igreja, ainda que este já não vá ser inaugurado durante a visita do Papa Francisco a Portugal.

"Não foi dado passo atrás nem passo à frente", assegura o presidente da fundação Jornada Mundial da Juventude (JMJ), um dia depois de fonte da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) ter adiantado que o monumento não estará pronto a tempo do evento religioso, que vai reunir centenas de milhares de jovens em Lisboa na primeira semana de agosto.

"Eu ontem ouvi na comunicação social que a Conferência Episcopal, a quem cabe essa temática, comunicou que esse assunto estava a ser avaliado e no seu tempo seria comunicado e portanto cabe à Conferência Episcopal tomar essa decisões."

Questionado sobre se existe falta de consenso quanto a este monumento, D. Américo Aguiar diz não saber dizer e que, tal como os restantes, "acolheu a comunicação que foi feita" pelos bispos portugueses ontem.

"Não sei dizer, não sei se falta consenso, não sei o que é que houve. O que eu sei é que a Conferência Episcopal fez saber ontem que o monumento do arquiteto Siza Vieira não está pronto, está em fase de concretização e foi isso que foi comunicado."

O anúncio de um memorial às vítimas de abusos na Igreja foi feito a 3 março, no final da assembleia plenária da CEP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+