Tempo
|
A+ / A-

Na Lapa dos Dinheiros, a hora do terço é sagrada – seja a que horas for

27 jun, 2023 - 07:08 • Liliana Carona (texto e fotos)

Com o novo horário das 20h30, a população da Lapa dos Dinheiros, aldeia do concelho de Seia, não deixou de escutar a recitação do terço que a Renascença transmite desde 1953. Alguns habitantes garantem mesmo ouvir desde os primórdios.

A+ / A-
Na Lapa dos Dinheiros, a hora do terço é sagrada – seja a que horas for

O rebate do sino convida a ir à igreja, mas para muitos dos populares da Lapa dos Dinheiros, a saúde, ou a falta dela, já não permite a deslocação. E às 8h30 da noite, a hora é sagrada.

“Ai! Quando já não ouvimos e quando deixamos passar um pouco, ficamos aflitos”, diz Sebastião Conde, 81 anos, que até há umas semanas, não conseguia ouvir com tanta facilidade o terço, porque às 6h30 da tarde ainda andava na agricultura, no terreno que circunda a casa.

Com a mulher, Maria Natália Pinheiro, 77 anos, sentam-se à beira do rádio, todos os dias, mesmo antes de se terem casado há mais de meio século.

“Tenho este terço que foi o meu marido que me ofereceu quando namorávamos, tem 60 anos, e já ouvíamos o terço antes. Temos de conferenciar as vidas e namoramos também, nunca deixámos de namorar, recorda-me muito aqueles anos e ele mantém-se na mesma”, sorri, olhando o companheiro de uma vida. “Ela é que me pediu em namoro”, interrompe Sebastião, salientando que os dois juntos sempre cumpriram um ritual: ouvir o terço na Renascença.

“Gosto de ouvir aquelas orações que rezam na Glória. Isto já é hábito, foi toda a vida. É importante, fomos assim criados. É uma pessoa que está a rezar o terço e nós rezamos com aquela pessoa, é como que está na nossa casa”, explica Natália.

Terço às 20h30 não interrompe trabalhos no campo

O casal não se importa com a mudança de horário da transmissão do terço.

“Sabe bem a gente a rezar e a comer. Foi o Pedro, o nosso filho, que nos avisou que o terço ia mudar de hora. Em vez de ser às 6h30 da tarde passou para as 8h30 da noite, tanto faz para os doentes, mas para quem anda na agricultura, ainda calha melhor às 8h30 da noite. É uma hora em que estou sempre. Quando ando no campo, interrompia e vinha ouvir. Agora não é preciso”, valoriza Sebastião, em concordância com a mulher, que diz ser “uma hora mais dedicada”.

Este casal sempre desejou que houvesse emissão ao sábado e domingo, uma alteração que também aplaudem. “Ouvimos o terço todos os dias, desde que nos lembramos. Ao sábado e domingo não dava no rádio e fazia-nos falta. Quando havia a Rádio Sim, também transmitia ao fim de semana”, recorda com saudade Natália, sublinhando que se sente “como uma família toda junta, eu já conheço os senhores padres pela voz.

"Quando não dava terço ao sábado, a gente sentia-se triste. Gosto de rezar o terço e depois já fico descansada”, conclui. E não é só o terço que a fascina na Renascença. “Também gosto de ouvir as notícias, são mais curtas. Também tenho rádio no quarto que dá as notícias, todas as horas, e na televisão isso não acontece.”

Com algumas interferências, mas que não atrapalham a vontade de rezar e pedir por quem mais precisa, Sebastião considera ser uma hora importante, a do terço, pois “há uma data de anos que a mulher não pode ir à igreja, por motivos de saúde”.

“Dedicamo-nos sempre ao terço, é como uma pessoa que está na nossa casa, a rezar connosco.” Natália conta que reza muito as orações que aprendeu com a mãe e avó. “Eu quando me deito, digo assim: 'Jesus Cristo foi dizer missa numa noite de solidão. Chamou os seus discípulos a quem tinha dado pão, andai cá meus filhinhos que vos quero confessar. Amanhã de manhã eu vos dou de comungar, o meu corpo serve de hóstia e o meu sangue de vinho real. Três vezes ao deitar, os pecados que tiver, Deus lhos há de perdoar'.”

“Às 18h30 estou a lavar roupa no tanque”

Para Maria de Lurdes, 69 anos, outra moradora na Lapa dos Dinheiros, a mudança de horário também não foi um problema. Encontramo-la no tanque público, a esfregar a roupa com sabão azul-esverdeado. Todavia, como trabalhou na área da geriatria, reconhece que “se calhar para os lares, hospitais, por exemplo, em que deitam as pessoas cedo, talvez não tenha sido boa ideia a mudança, mas para mim até foi melhor, são 6h30 da tarde e agora estou a lavar roupa no tanque”, explica Maria de Lurdes, que ouve o terço desde que se conhece como gente.

“Oiço o terço todos os dias, por causa desta mudança, vou ouvi-lo mais tarde. Desde sempre, de muito nova, que oiço o terço, nunca me lembro de ter ficado sem ouvir o terço. E agora como tenho um tablet, oiço também quando quero”, demonstra a moradora da Lapa dos Dinheiros. “Não interessa a hora, vou continuar a ouvir o terço, com todo o gosto, é uma das coisas que nos ajuda imenso a levar a vida para a frente”, refere ainda Maria de Lurdes.

Levar a vida para a frente na companhia da rádio é o que também alumia Odete Oliveira, 66 anos. “Sempre ouvi o terço desde que me conheço. Gosto de rezar o terço, mas não sozinha, acompanhada, junto-me com a rádio. Para mim é igual, tanto me dá o horário. Havia de já estar na cama às 8h30 da noite? Nem pensar. Peço por toda a gente, peço para acabar a guerra, peço por todas as criancinhas. Está sempre sintonizado na Renascença, é só carregar no botão”, mostra Odete.

Na Lapa dos Dinheiros, com cerca de 300 habitantes, há muitos a carregar no botão da rádio, todos os dias, para ouvir o terço. E hoje para se ouvirem na rádio. “Quer dizer, isso vai dar em algum lado? Ai! E quando ouvirem a minha voz?”, larga, surpreendida, Odete Oliveira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ismael Tavares
    10 dez, 2023 Fiães Santa Maria da Feira 11:01
    Bom dia, concordo com a apreciação mas não posso aceitar que em dias de futebol, o que é uma constante ao fim de semana e não só, deixe de haver a transmissão do Rosário. Para quem já tem tão pouco e o Rosário é dos poucos confortos dos idosos, substituir pelo futebol é uma afronta numa rádio católica. Espero que reconsiderem está situação. Obrigado. Cumprimentos Ismael Tavares
  • Patrícia Fernandes
    27 jun, 2023 Marinha Grande 21:31
    Fiquei contente por terem ido a esta aldeia de gente de fé. Pois acredito que uma grande parte da população. Escuta o terço. O meu pai não sabia da troca de horário. E passou a ir ver á TV. Mas agora como eu lhe falei da mudança já vai passar a ouvir a rádio novamente. E gostou do horário. Obrigada. E continuem a fazer companhia aos católicos de Portugal.
  • Maria do Céu
    27 jun, 2023 Coimbra 18:22
    Curioso como foram buscar uma aldeia "perdida" do concelho de Seia para "validar" a insensata alteração do horário do Terço... Sugiro uma auscultação mais abrangente aos católicos portugueses, procurando saber quantos deles ouvem o Terço às 20h30...

Destaques V+