Tempo
|
A+ / A-

Reportagem

A paróquia que quer trazer à JMJ peregrinos do Butão

23 jun, 2023 - 08:30 • Ana Catarina André

A diocese de Setúbal prepara-se para acolher 88 mil peregrinos durante a Jornada Mundial da Juventude. Na Igreja do Castelo de Sesimbra, organizou-se um arraial para mobilizar a comunidade.

A+ / A-

Já anoiteceu. Junto ao adro da Igreja de Nossa Senhora do Castelo, em Sesimbra, a música popular, as luzes e os enfeites coloridos anunciam que é dia de festa. Há bifanas, sardinhas e caldo verde para venda e cerca de uma dezena de espaços onde é possível comprar manjericos, mas também artesanato e outras peças. Aqui e ali vê-se a logotipo da Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Há mesmo uma moldura portátil com a cara do Papa Francisco, onde é possível tirar fotografias. E dois murais feitos com materiais reciclados com a imagem do evento que alertam para a importância da ecologia integral.

“Decidimos organizar este arraial para chamar a atenção da comunidade para a Jornada Mundial da Juventude. A partir de agora vamos passar a dedicar-nos inteiramente à preparação”, explica João Gato que, aos 25 anos é o responsável do comité organizador paroquial, a equipa que coordena os trabalhos necessários para que seja possível acolher ali cerca de 3000 peregrinos. É preciso garantir alojamento para todos, bem como os necessários recursos humanos e materiais para que isso tudo possa acontecer da melhor forma.

Nos últimos meses, a paróquia do Castelo de Sesimbra tem dinamizado diversos momentos de oração, mas também de convívio e de angariação de fundos em torno da JMJ. “As pessoas estão cada vez mais cientes desta realidade e perguntam-nos como podem ajudar”, conta Sara Trindade, também ela pertencente ao comité organizador paroquial. “É giro que temos tido pessoas a dizer: ‘não posso ajudar de uma forma, mas contribuo de outra. Aceitam?' E nós respondemos: ‘Claro que sim’. Quando cada um dá o que tem e pode e isso é muito bom. Faz crescer a própria comunidade”.

Além dos preparativos logísticos e pastorais, a paróquia propôs-se também, juntamente com a vigararia de Setúbal e a paróquia de Vila Nova da Caparica, a financiar a vinda à JMJ de Lisboa de oito peregrinos do Butão, país asiático de maioria budista. “É uma realidade muito diferente da nossa. O Butão tem 100 cristãos. Ao trazermos oito a dez peregrinos trazemos 5% a 10% da população cristã do país. Vai ser uma grande responsabilidade”, afirma João Gato, entusiasmado.

Para o pároco, o padre Eduardo Nobre, os últimos meses têm sido “gratificantes”. A preparação para o encontro mundial dos jovens com o Papa Francisco, em Lisboa, tem envolvido a comunidade. Mas não só. “Pessoas que estavam adormecidas têm aparecido na paróquia para dar a sua colaboração. Algumas tinham desaparecido na pandemia, sobretudo jovens”, diz.

88 mil peregrinos na diocese de Setúbal

O Comité paroquial do Castelo de Sesimbra é um dos 48 que na diocese de Setúbal prepara o acolhimento de peregrinos durante a semana da JMJ. Ao todo, prevê-se que fiquem alojados neste território 88 000 jovens, dos quais 18 000 ficarão na vigararia do Seixal, 16 000 na de Setúbal e 14 000 na Caparica – os restantes serão acolhidos no restante território.

Neste momento, as paróquias ainda estão a angariar voluntários – são já 1700. Têm apelado também a que mais famílias de acolhimento se inscrevam para alojar em sua casa participantes na JMJ – são cerca de 560 atualmente –, e feito a validação de espaços de alojamento coletivo, entre os quais escolas, pavilhões desportivos e quartéis de bombeiros.

João Marques, responsável do comité organizador diocesano de Setúbal (COD), o organismo responsável pela coordenação da JMJ nesta região, destaca o protagonismo dado aos jovens neste processo. “A maioria das equipas são coordenadas por jovens, mesmo tendo pessoas de outras idades. Isso tem refrescado a vida as comunidades não só em torno da pastoral juvenil, mas de toda a pastoral”, diz, explicando que na diocese as paróquias são, regra geral, “relativamente pequenas”, com poucos recursos. “Tem sido um caminho muito bonito e interessante”, sublinha. “São pessoas que agarraram este desafio de preparação da JMJ com grande sentido de responsabilidade e missão.”

A ausência de bispo em Setúbal – aguarda-se a nomeação do sucessor de D. José Ornelas que saiu o ano passado – tem sido um desafio, assume João Marques. “Confesso que um bispo era importante para nos motivar e incentivar e também para mobilizar as comunidades.”

“Vejo os jovens muito motivados”

A coordenação diocesana de todos os trabalhos de preparação para a Jornada Mundial da Juventude é feita por uma equipa com 40 pessoas, a maioria dos quais voluntários. Há apenas três elementos com dedicação a tempo inteiro. Gabriela Godinho é um desses casos. Terminou a licenciatura o ano passado em gestão de distribuição e logística, e decidiu tirar um ano sabático para se dedicar à JMJ. “Faço o que é necessário aqui no COD”, explica, sublinhando o entusiasmo crescente à medida que se aproxima o início do encontro em Lisboa. “Apesar de algum cansaço natural, vejo os jovens muito motivados. Queremos receber peregrinos. Sabemos que, mesmo não estando cara-a-cara com o Papa, se o virmos a três quilómetros vai ser enriquecedor”.

Uma certeza partilhada também por Vasco Gonçalves, também ele membro do COD. Aos 33 anos, já participou em quatro edições da JMJ e agora diz que “é tempo de servir”. “É uma oportunidade única”, afirma, recordando o impacto do evento. “Quando chegamos a uma Jornada Mundial da Juventude percebemos que existem milhões de jovens que acreditam como nós. Somos uma gota num oceano de crentes.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+