Tempo
|
A+ / A-

Vaticano encerra embaixada na Nicarágua

22 mar, 2023 - 07:38 • Olímpia Mairos

É mais um sinal de rutura com Governo de Daniel Ortega que tem imposto várias medidas restritivas à Igreja.

A+ / A-

A Santa Sé deixou de ter representação diplomática na Nicarágua com a saída, no final da semana passada, do encarregado de negócios. A medida surge na sequência do pedido das autoridades de Manágua que há um ano já tinham expulsado o núncio apostólico.

Com a saída do último representando do Vaticano da Nicarágua, o edifício da Nunciatura Apostólica e os seus bens e arquivos foram confiados à representação italiana, de acordo com a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas.

O encerramento da embaixada é o culminar do afastamento nas relações entre os dois Estados, depois de há um ano, a 12 de março de 2022, o núncio apostólico, D. Waldemar Stanisaw Sommertag, ter sido expulso do país. Foi pedido pelo Governo na sequência de declarações do Papa Francisco a um ‘site’ argentino.

Nessa entrevista, o Santo Padre falava do “desequilíbrio da pessoa que lidera” a Nicarágua, descrevendo o país como sendo uma “ditadura grosseira”.

Nos últimos tempos, o Governo da Nicarágua tem imposto várias medidas repressivas contra a Igreja.

Uma das mais recentes foi o encerramento forçado de duas universidades católicas, a de São João Paulo II e a Autónoma Cristã da Nicarágua e também da Fundação Mariana de combate ao Cancro e de dois escritórios da Cáritas.

As autoridades também já tinham decretado a proibição de celebração de qualquer procissão nas ruas durante a Quaresma e Semana Santa. Uma proibição que foi conhecida duas semanas depois de D. Rolando Álvarez ter sido condenado.

O clima de perseguição tem afetado também as congregações religiosas. Um dos casos mais recentes é o das Trapistas e de um grupo de irmãs de Porto Rico, que decidiram também deixar o país devido à pressão das autoridades.

Anteriormente, as autoridades já tinham incitado a saída das Missionárias da Caridade, a congregação fundada pela Santa Madre Teresa de Calcutá, assim como de outros religiosos e sacerdotes, e obrigado ao encerramento do canal de televisão da Conferência Episcopal e de outras seis estações de rádio católicas.

Além da Igreja, também a ONU tem denunciado os constantes atropelos aos direitos humanos na Nicarágua. Num relatório, apresentado recentemente em Genebra, a secretária-geral adjunta da ONU, Ilze Brands Kehris, referia-se à degradação “dos direitos humanos na Nicarágua” desde dezembro de 2022, fazendo uma referência explícita à situação do bispo de Matagalpa e administrador apostólico da Diocese de Estelí, D. Rolando Álvarez, condenado a 26 anos e quatro meses de prisão.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+