A+ / A-

​Papa pede perdão pelo "mau testemunho que mancha o rosto da Igreja"

17 mar, 2023 - 17:45 • Aura Miguel

Francisco presidiu esta sexta-feira à liturgia penitencial integrada na iniciativa “24 horas para o Senhor” e confessou alguns fieis.

A+ / A-

O Papa sentou-se esta sexta-feira a confessar alguns fiéis numa paróquia de Roma. Como acontece desde o início do seu pontificado, Francisco presidiu à liturgia penitencial integrada na iniciativa “24 horas para o Senhor”.

Desta vez, escolheu a paróquia de Santa Maria das Graças, num bairro próximo do Vaticano, para uma celebração que incluiu um tempo para confissões. Após a homilia e durante a exposição do Santíssimo Sacramento, Francisco sentou-se numa cadeira, num dos corredores laterais da igreja, e ouviu várias pessoas em confissão, à semelhança do que fizeram outros sacerdotes e bispos presentes na celebração.

“Quem se sente demasiado rico de si e da sua bravura religiosa, quem se considera melhor do que os outros, contenta-se em salvar as aparências e não dá lugar a Deus, nem dialoga com Ele”, alertou o Papa na homilia.

A propósito do Evangelho, Francisco comparou esta atitude do fariseu com a do publicano. “O fariseu celebra-se a si mesmo com uma oração exteriormente impecável mas, em vez de se abrir a Deus, esconde hipocritamente as suas fraquezas”, enquanto publicano se mantém à distância e fica lá ao fundo. “Mas é precisamente esta distância, expressão do seu ser de pecador face à santidade de Deus, que lhe permite experimentar o abraço bendito e misericordioso do Pai, porque aquele homem Lhe deixou espaço, permanecendo à distância”, esclareceu o Papa.

"Perdão pelos pecados contra a vida, pelo mau testemunho que mancha o belo rosto da Mãe Igreja, pelos pecados contra a criação”"

Para explicar melhor o sacramento da Reconciliação, Francisco comparou a confissão a uma festa: “Quando nos confessamos, colocamo-nos ao fundo como o publicano, para reconhecermos, também nós, a distância que nos separa entre aquilo que Deus sonhou para a nossa vida e o que realmente somos no dia a dia. E, naquele momento, o Senhor aproxima-Se, encurta as distâncias e põe-nos de pé; naquele momento, enquanto nos reconhecemos despidos, Ele reveste-nos com o traje da festa”. Este “encontro de festa cura o coração e deixa-nos em paz dentro”, conclui o Papa. “Não se trata de um tribunal humano que mete medo, mas é um abraço divino pelo qual somos consolados”.

Francisco convidou os fiéis presentes a pedirem perdão a Jesus, sempre que “desprezo os outros ou murmuro contra eles” ou quando “não cuido de quem está ao meu lado, quando me mostro indiferente a quem é pobre e atribulado, frágil ou marginalizado”.

O Papa pediu perdão “pelos pecados contra a vida, pelo mau testemunho que mancha o belo rosto da Mãe Igreja, pelos pecados contra a criação”, por tantas “falsidades, desonestidades, faltas de transparência e integridade” e ainda por tantos “pecados ocultos, pelo mal feito aos outros e pelo bem que poderia ter feito e não fiz”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+