A+ / A-

Hora da Verdade

Bispo auxiliar de Lisboa assume-se contra memorial às vítimas de abusos

14 mar, 2023 - 20:59 • Susana Madureira Martins (Renascença) e Helena Pereira (Público)

D. Américo Aguiar assume-se "desconfortável" com a ideia de se construir um memorial às vítimas de abusos sexuais. Em entrevista ao programa "Hora da Verdade", da Renascença e do jornal Público, o bispo auxiliar de Lisboa diz que prefere que a Igreja financie "permanentemente" projetos de apoio a vítimas como o que existe entre a diocese que integra e a APAV.

A+ / A-
"Não há dúvidas" que padres suspeitos de abusos serão afastados. Incluindo nas dioceses de Lisboa e Porto
"Não há dúvidas" que padres suspeitos de abusos serão afastados. Incluindo nas dioceses de Lisboa e Porto

Veja também:


O bispo auxiliar de Lisboa assume-se "desconfortável" com a ideia de se construir um memorial às vítimas de abusos sexuais. Em entrevista ao programa "Hora da Verdade", da Renascença e do jornal Público, o bispo auxiliar de Lisboa diz que prefere que a Igreja financie "permanentemente" projetos de apoio a vítimas como o que existe entre a diocese que integra e a APAV.

D. Américo Aguiar recusa que o Estado pague eventuais prejuízos da Igreja na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) - "absolutamente, não" - e reconhece que "anda a pedir" e tem "levado muitas negas, de grandes empresas, de grandes grupos" para que sejam parceiros do evento.

Sobre as condições anímicas do cardeal patriarca de Lisboa para a realização da Jornada num período difícil para a Igreja por causa dos abusos, o presidente da Fundação JMJ garante que D. Manuel Clemente - que este ano atinge o limite de idade - tem "toda a disponibilidade, empenho e entrega na tolerância zero e na transparência total".

D. Américo Aguiar afasta ainda a ideia de que já tenha começado a corrida à sucessão na Diocese de Lisboa, mas se o próprio for chamado a desempenhar funções admite que "em qualquer circunstância" deve "ouvir" e "agir em conformidade".

Na Jornada Mundial da Juventude, acha mesmo necessário um memorial às vítimas de abusos? Não será uma hipocrisia, depois da polémica sobre os custos, falar-se agora de mais uma obra?

Eu tenho uma leitura muito pessoal daquilo que é a questão do memorial, que nasceu de uma recomendação, já há algum tempo, da Comissão Independente. As pessoas que fizeram testemunhos manifestaram que devia existir qualquer coisa visível, material, que pudesse ter algum significado. A mim, confesso que... concordo. Não é nem a questão até dos custos.

Acha que é uma hipocrisia?

Não sei se hipocrisia é a palavra certa, mas, desde o início, [a proposta de memorial] não me fez clique.

A ideia causa-lhe algum desconforto?

Sim, sim. Principalmente para as vítimas. Não sei se é a forma mais feliz de materializar o respeito, o mea culpa e a tolerância zero. Não sei se é a forma mais feliz de o fazer, principalmente quando, nestas coisas, passa o dia, passa a romaria e passado algum tempo alguém já não sabe o que é aquilo. Não sei se é a expressão mais mais positiva daquilo que possamos e devemos fazer. Peço desculpa, mas eu tenho um fraquinho pela APAV e tenho um fraquinho pelo programa Care. Preferia que a Igreja financiasse permanentemente coisas destas.

O memorial vai em frente de qualquer forma ou não?

Isso foi uma recomendação do dia 3 de março, do encontro plenário da CEP onde eu não estive. Pelo que eu entendi, a inauguração não seria no contexto da Jornada Mundial da Juventude e depois a peça iria para outro local onde ficaria. Não sei. Vamos ver como é que ela vai evoluir, como é que se vai concretizar. Mas, colocando-me no papel das vítimas, mais monumento, menos monumento, não é qualquer coisa que me respeite. Ou, pelo contrário, até pode ser qualquer coisa que me cause algum desrespeito e eu preferiria qualquer coisa mais mensurável, qualquer coisa mais positiva, mais prática naquilo que seja uma luta total para que a tolerância zero aconteça.

Nesta altura, já não se devia conhecer o Plano de Mobilidade da Jornada Mundial da Juventude? O Governo prometeu apresentar esse plano até ao final de Março.

Todas estas áreas estão a ser trabalhadas com muito cuidado, com muita dedicação, com muita entrega da parte de todos. Da parte do Governo, as coisas estão a ser feitas. Acredito que quem está do lado de fora não tem informação tenha uma percepção de atraso e de pressão. Mas as coisas estão a ser feitas nos seus timings.

Aqui há umas semanas dizia que o orçamento da Igreja era 80 milhões. Esse número mantém-se?

Estamos a fechar o orçamento e pedimos ajuda a quem sabe economês e comunicação para nos ajudar a apresentar o orçamento de uma maneira entendível por todos, naquilo que é gasto, naquilo que é investimento, naquilo que é retorno, naquilo que é injeção na economia.

Mas a minha dúvida é: onde é que a Igreja vai buscar este dinheiro? Tem que fazer empréstimos? Ou tem o dinheiro num cofre?

Se tivéssemos esse dinheiro no cofre era mau, significava que andávamos a amealhar e não a gastar no que devíamos. A Igreja não deve desviar um cêntimo do apoio aos pobres e ao apoio sócio-caritativo para a JMJ. Uma coisa são os pobres e as pessoas que precisam de ajuda e esse dinheiro é sagrado, não deve ser desviado seja lá para o que for.

Será necessário então recorrer à banca?

Estamos a trabalhar com duas fontes de receita. Umas são aquilo que os jovens confiam à organização, porque assim a alimentação é paga pelos jovens e, portanto, apenas entregam à organização o valor necessário para a alimentação e, portanto, os 30 milhões de euros que nós falamos vem dos jovens. Quem diz a alimentação, diz o seguro eo transporte. Há outra fonte de receita que é o apoio dos benfeitores e dos doadores. Até à data, ultrapassámos os cinco milhões de euros.

Não é pouco?

Sou a cara de quem anda a pedir e tenho levado muitas negas, de grandes empresas, de grandes grupos.

Os casos dos abusos sexuais têm dificultado essa angariação?

Acredito que possa fragilizar uma ou outra, mas muitos desses contactos até são anteriores à situação e, portanto, acredito que não.

Então, voltamos à questão inicial onde é que vai buscar o dinheiro para isto tudo?

Se chegarmos ao fim deste acontecimento único para Portugal e as contas da Fundação derem negativas e eu vou ter que arranjar uma solução, é a minha responsabilidade. Se derem zero, está tudo resolvido. Vamos à nossa vida de contentes e felizes. Se der lucro, já assumi o compromisso que a Fundação JMJ vai pegar em todo esse lucro até ao cêntimo e vai entregar a Lisboa e a Loures para que seja aplicado em projectos que tenham envolvidos jovens.

Se for preciso, em vez de pedir dinheiro à banca, pode pedir ao Estado mais algum dinheiro?

Absolutamente, não.

Conta que o Papa Francisco fale com as vítimas de abusos quando vier para a JMJ?

Não tenho dúvida absolutamente nenhuma que um dos itens da sua agenda privada contará com essa prioridade. Como é que se vai concretizar isso? Não sei. Não tenho dúvida nenhuma que nas prioridades da agenda que o Papa vai ter durante a sua presença em Lisboa, uma delas, se não for a primeira, será essa [a questão dos abusos sexuais contra menores].

A questão dos abusos vem atingindo o cardeal patriarca de Lisboa, houve notícias, em 2022, de que terá ocultado uma denúncia. D. Manuel Clemente foi ao Vaticano, consta que terá pedido a resignação antes mesmo de atingir a idade. Tem visto vontade no Cardeal Patriarca em resignar antes ainda do verão?

O que eu tenho testemunhado diariamente junto do cardeal patriarca é toda a disponibilidade, empenho e entrega na tolerância zero e na transparência total. Nesse Verão de 2022, o cardeal patriarca sofreu muitíssimo com a leitura, que é errada, de um contexto que não corresponde à verdade. Se me dissessem que eu encobri, que eu facilitei, que eu conscientemente fui parte de um crime horrível como este, é óbvio que eu me desmanchava todo.

E confirma-se que terá pedido a resignação ao Papa?

Numa conversa entre os dois, só eles é que sabem.

Acha que o D. Manuel Clemente tem condições anímicas para representar a Diocese na Jornada Mundial da Juventude?

Todo o trabalho que é feito de preparação e de vivência da Jornada Mundial Juventude está nos ombros de, actualmente, mais de 600 jovens. Temos 527.000 que já manifestaram desejos de inscrição na primeira fase. Temos 188 países já representados. A questão do bispo de Lisboa não digo que não aquece nem arrefece, mas o senhor Patriarca até sexta-feira passada correspondia a tudo aquilo que era necessário fazer.

A corrida à sucessão do D. Manuel já começou? Vê movimentações na Igreja? Qual é o perfil para assumir este lugar que muitas vezes é confundido com o de chefe da Igreja Católica em Portugal?

Exactamente. São 21 dioceses, cada uma é autónoma. São heranças de um tempo passado em que alguns cardeais eram mais veementemente chefes, chefes da causa. Compreendo a vossa curiosidade e essa linguagem desportiva/político-partidária da corrida, das primárias. As coisas não são assim, não são assim.

Não há política dentro da Igreja?

Política há, partidária é que não. A pólis está presente em tudo. Ninguém é não-político. O que sei é que quando um bispo faz 75 anos, faz a cartinha e espera que o Santo Padre o substitua. O Santo Padre dá instruções ao Núncio Apostólico para sondar, para perguntar, para fazer uma leitura daquilo que é a realidade da diocese e vai fazendo sondagens e vai fazendo auscultações e a certa altura manda para Roma a famosa terna, uma lista com três nomes em que o Núncio Apostólico recomenda três nomes.

A terna já está feita para Lisboa?

A única pessoa que sabe disso chama se Núncio Apostólico.

E o bispo auxiliar de Lisboa pode fazer parte dessa terna?

Pode fazer parte dessa, pode fazer parte de muitas, como pode fazer parte de nenhuma.

Se for chamado, também não recusará?

Em qualquer circunstância, devo ouvir o que me está a ser dito e agir em conformidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+