Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Papa volta a afastar cenário de renúncia e diz que resignação nunca será "moda"

16 fev, 2023 - 17:56 • Ecclesia

Francisco acredita que o cargo que ocupa é uma posição vitalícia e que a renúncia do Papa Bento XVI foi uma exceção.

A+ / A-

O Papa voltou a descartar o cenário de uma renúncia ao pontificado, em conversas com jesuítas africanos, divulgadas pela revista ‘Civiltà Cattolica’, da Companhia de Jesus.

“Os papas demissionários não se devem tornar, digamos assim, uma moda, algo normal”, referiu durante a sua viagem à República Democrática do Congo (RDC) e Sudão do Sul, que decorreu entre 31 de janeiro e 5 de fevereiro.

O programa nos países africanos incluiu encontros privados, em cada uma das capitais, com religiosos jesuítas. Um dos participantes questionou o Papa sobre a carta que escreveu, com a sua resignação, dois meses após a eleição pontifícia, em 2013, entregue ao então secretário de Estado, o cardeal Tarcisio Bertone.

“Não sei onde se encontra essa carta. Fi-lo para o caso de ter algum problema de saúde que me impeça de exercer o meu ministério e de estar plenamente consciente para poder renunciar”, precisou.

Francisco recordou o seu antecessor, Bento XVI, que renunciou ao pontificado em fevereiro de 2013, destacando a “coragem” deste decisão.“[Bento XVI] Sentia que não conseguia seguir em frente, por causa da saúde. Eu, de momento, não tenho isso na agenda, eu acredito que o ministério do Papa é ‘ad vitam’ (para a vida). Não vejo razões para que não deva ser assim, pensem que o ministério dos grandes patriarcas é sempre para a vida e a tradição histórica é importante.”

“Não me passou pela mente [a renúncia]”, repetiu no Sudão do Sul, recordando que o Papa Pio XII, durante a II Guerra Mundial (1939-1945) escreveu uma carta de renúncia “para o caso de ser levado por Hitler para a Alemanha”.

“Assim, dizia, teria sido capturado Eugenio Pacelli e não o Papa”, precisou.

O primeiro Papa jesuíta da história revela ter recusado, em duas ocasiões, nomeações episcopais na Argentina, cumprindo o voto de não aceitar papéis de autoridade na Igreja, tendo sido nomeado auxiliar da Diocese de Buenos Aires apenas após uma autorização explícita do então responsável mundial pela Companhia de Jesus (Peter Hans Kolvenbach), “em espírito de obediência”.

Outras deslocações

“Sobre as viagens: acho que a Índia será no próximo ano. Vou a Marselha (França) no dia 23 de setembro, e há a possibilidade que, de Marselha, voe para a Mongólia, mas ainda não foi definido, é possível. Outra este ano, não me lembro… Lisboa. O critério: escolhi visitar os países pequenos da Europa”, referiu, em conferência de imprensa no voo de regresso a Roma.

Questões de saúde

Questionado sobre os problemas que o têm afetado no joelho, o Papa brincou com a situação e disse que “erva daninha não morre”.

Aos 86 anos de idade, Francisco precisou que não está “como no início do pontificado”, a 13 de março de 2013. “Este joelho incomoda, mas vai lentamente, então veremos”, declarou.

O Código de Direito Canónico, prevê a possibilidade jurídica de renúncia por parte do Papa e esta renúncia não precisa de ser aceite por ninguém para ter validade, como indica o Cânone 332.

O que se exige é que o Papa renuncie livremente e que manifeste a sua decisão de modo claro e público.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+