A+ / A-

Fundação AIS lembra “irmãos que sofrem na guerra, que passam fome e frio”

20 dez, 2022 - 07:45 • Olímpia Mairos

Desejando que o Natal seja “uma festa de alegria”, a fundação pontifícia pede que não se esqueçam os que são vítimas da guerra e os que estão em maiores dificuldades, privados de conforto, de segurança.

A+ / A-

O presidente executivo internacional da Fundação AIS, Thomas Heine-Geldern, alude na sua mensagem de Natal ao drama da guerra na Ucrânia e em tantos países onde a violência e a miséria são uma constante do dia-a-dia das populações.

Na mensagem, enviada para todos os secretariados da Fundação AIS espalhados pelo mundo, Thomas Heine-Geldern lembra as populações que vivem em países onde há sofrimento, nomeadamente por causa da guerra, mas também da violência causada, por exemplo, pelo terrorismo.

“Ao desejar-vos um Feliz Natal este ano, não o posso fazer sem recordar os nossos irmãos e irmãs que sofrem e são perseguidos na Ucrânia, no Líbano e na Síria, na Nicarágua, bem como na Nigéria, no Burquina Faso e em muitos outros lugares”, destaca.

Desejando que o Natal seja “uma festa de alegria”, Heine-Geldern pede que não se esqueçam os que estão em maiores dificuldades, privados de conforto, de segurança, “os nossos irmãos que sofrem com a guerra, que passam fome e frio”.

Nesta mensagem em vídeo, o responsável deixa ainda uma palavra de agradecimento aos benfeitores da Fundação AIS que, pela sua constante generosidade e “vontade de partilhar”, têm permitido “aliviar o sofrimento em muitos países do mundo e, assim, levar os nossos irmãos cristãos até ao presépio”.

Generosidade dos portugueses minimiza sofrimentos

Também a diretora do secretariado português da Fundação AIS, Catarina Martins de Bettencourt, ao dirigir-se a todos os benfeitores e amigos da instituição no nosso país, não esquece os dramas que ecoam em vários cantos do mundo, valorizando o apoio dado pelos portugueses para minimizar sofrimentos e colmatar dificuldades.

“Ao aproximarmo-nos da festa do Natal, num ano que ficará certamente recordado pela guerra na Ucrânia, em plena Europa, quero agradecer a generosidade dos benfeitores e amigos da Fundação AIS em Portugal, generosidade que permitiu contribuir decisivamente para aliviar o sofrimento de tantas pessoas, de tantas famílias em países onde a comunidade cristã conhece a dor causada pela violência do terrorismo, pela pobreza extrema, e pela perseguição”, afirma.

Segundo a diretora da AIS, “neste ano, como aliás tem sido sempre assim ao longo da história da Fundação AIS em Portugal, a vossa solidariedade ajudou a aliviar esse sofrimento. Foi decisiva!”, esperando que “no próximo ano saibamos prosseguir com esta missão de bem-fazer junto dos nossos irmãos que sofrem”.

“Em nome de toda a equipa da Fundação AIS em Portugal, quero desejar a todos os nossos benfeitores, a todos os que nos têm ajudado a levar mais longe a nossa solidariedade, um Santo Natal e um Ano Novo cheio também das bênçãos do Céu”, conclui a responsável.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+