Tempo
|
A+ / A-

Ucrânia. Igreja disponibiliza ponto de carregamento de aparelhos eletrónicos

04 nov, 2022 - 08:19 • Olímpia Mairos

Pároco da Catedral da Virgem de Vyshgorod, cidade perto de Kiev, explica que neste momento difícil é especialmente necessário unir-se em torno das boas iniciativas, da comunidade e da Igreja.

A+ / A-

Os repetidos ataques russos às infraestruturas da rede elétrica na Ucrânia, deixaram as pessoas nas cidades e vilas sem eletricidade. Muitas perderam, por isso, a oportunidade de estudar e trabalhar remotamente.

No sentido de ajudar as populações, a Igreja está a disponibilizar postos de carregamento de computadores e smartphones na Catedral da Virgem de Vyshgorod, cidade perto de Kiev.

O pároco explica que neste momento difícil é especialmente necessário unir-se em torno das boas iniciativas, da comunidade e da Igreja.

“Juntos seremos capazes de trazer a vitória e a paz para mais perto do nosso povo. Não é preciso muito para isso. É suficiente apenas perceber as necessidades das pessoas e responder conforme essas necessidades”, diz o sacerdote.

E foi neste contexto que surgiu a iniciativa de colocar um ponto de carregamento de aparelhos eletrónicos perto da igreja.

“Hoje, muitas pessoas perderam a luz nas suas casas e a capacidade de trabalhar, estudar ou comunicarem remotamente com a sociedade. Para enfrentar esses desafios modernos, apenas fornecemos acesso à rede elétrica e, graças a isso, alguém poderá continuar a trabalhar e a estudar para bem do nosso povo”, realça.

Quase 4,5 milhões de ucranianos ficaram na quinta-feira sem eletricidade após os recentes ataques russos a instalações de energia no país, afirmou o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas - mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,7 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa - justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.430 civis mortos e 9.865 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+