Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Papa no Bahrain para encontrar-se com minoria católica e reforçar o diálogo com o Islão

03 nov, 2022 - 02:10 • Aura Miguel

Esta é a primeira vez que um Papa visita este país no Golfo Pérsico. Francisco vai participar no Fórum para o Diálogo com vários líderes, sobretudo muçulmanos. O tema deste ano é: “Oriente e Ocidente para a Coexistência Humana”. No passado domingo, o Papa sublinhou a oportunidade destes encontros para que, “em nome de Deus, se reforce a causa da fraternidade e da paz”.

A+ / A-

Além da capital, Manama, o Papa vai, também, à cidade de Awali onde, em 2021, foi consagrada uma catedral de Nossa Senhora da Arábia, padroeira do Golfo Pérsico, a única catedral católica naquela zona esmagadoramente muçulmana. No estádio desta cidade, Francisco também celebra missa para alguns milhares de católicos, todos eles estrangeiros, sobretudo trabalhadores emigrantes e pessoal diplomático.

Neste país de maioria xiita, o Rei do Bahrain, Hamad bin Isa al-Khalifa tem manifestado abertura às necessidades da comunidade católica local e foi, de resto, ele quem convidou Francisco.

Contudo, há dias, surgiu um apelo de alguns académicos, prisioneiros de consciência, que pedem ao Papa que condene as injustiças no Bahrein e pressione as autoridades a respeitarem os direitos humanos.

Cardeal Parolin sublinha a relevância desta visita para o mundo

A visita do Papa ao Bahrein “é um sinal de unidade num momento particularmente delicado, complexo e, de certa forma, também trágico da nossa história”, afirmou o Cardeal Pietro Parolin numa entrevista ao portal dos media da Santa Sé. “É um convite ao diálogo, um convite ao encontro entre Oriente e Ocidente, numa realidade, como a do Bahrein, que é uma realidade multi-étnica, multicultural e multi-religiosa”.

O Secretário de Estado do Vaticano, que acompanha o Papa nesta viagem, considera-a “uma mensagem de unidade , de coesão e de paz, num mundo caracterizado por tensões, contrastes e conflitos”.

Para Parolin, esta nova etapa de Francisco insere-se na linha das visagens anteriores ao Cazaquistão, Iraque, aos Emirados Árabes Unidos, Marrocos, Egito e Azerbaijão. Países muçulmanos que o Papa visita para demonstrar que "entre Deus e o ódio, entre religião e violência, existe uma incompatibilidade absoluta, uma impossibilidade de qualquer contato e conciliação, porque quem aceita o ódio e a violência distorce a própria natureza da religião".

O objetivo do Papa é convidar todos a uma “profunda purificação” e, ao mesmo tempo, “demonstrar que as religiões podem eliminar mal-entendidos e serem sempre fatores de reconciliação, de paz, de coesão e harmonia”, afirmou.

Ser católico num país em que vigora a lei da Sharia

Monsenhor Paul Hinder, é o administrador apostólico desta região da Arábia do Norte. O prelado esclarece que, apesar de o Islão ser a religião oficial e vigorar a lei da Sharia (sistema jurídico islâmico baseado nos preceitos religiosos do Corão), “os cristãos e adeptos de outras religiões gozam de liberdade de culto”.

Hinder refere que o reinado de Al-Khalifa “promove uma política tolerante, aberta ao diálogo inter-religioso, como se verifica, entre outras coisas, pelo facto de o Reino acolher vários locais de culto não-muçulmanos, incluindo duas paróquias cristãs”.

A Igreja Católica no Bahrein conta com cerca de 80 mil fiéis, todos estrangeiros.

A sua atividade pastoral inclui algumas iniciativas de caridade, realizadas por grupos e associações paroquiais e a Igreja também administra uma escola.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+