A+ / A-

Arquidiocese de Braga vai fornecer energia a baixo custo a 650 famílias

15 out, 2022 - 08:32 • Isabel Pacheco

A criação da comunidade de energia renovável prevê a instalação de 2.100 painéis fotovoltaicos em vários edifícios. O projeto pioneiro deverá estar concluído até ao início do ano.

A+ / A-

A Arquidiocese de Braga vai criar uma comunidade de energia renovável o que permitirá, através da instalação de 2100 painéis fotovoltaicos em vários edifícios, produzir energia necessária para consumo interno e garantir o fornecimento a 650 famílias de energia, “pelo menos, 30% mais barata”, explica à Renascença o cónego Roberto Mariz.

“Vamos produzir 27% de energia acima daquela que consumimos. O que sobra, que é uma percentagem bastante grande, será vendida na rede”, explica.

É nesse excedente de energia que “alocamos o projeto solidário com a possibilidade de 650 famílias terem energia bonificada que é de 30% abaixo do custo do mercado, isto antes desta subida bombástica que acabou por acontecer”, ressalva o Cónego Roberto Mariz.

“Acho que já é um projeto bastante interessante na sua dimensão e amplitude.”

A aposta na produção de energia verde vai ainda possibilitar aos edifícios centrais da Arquidiocese “alcançarem a positividade carbónica,” explica, admitindo que gostaria de ver o modelo replicado noutras instituições.

“Temos todo o gosto em poder alavancar isto para outras entidades. Gostaríamos de abrir ao setor social, às IPS´S e, também, replicar para outras geografias e concelhos que tenham dimensão para implementar algo parecido”, revela o responsável pela administração dos recursos patrimoniais e financeiros da Arquidiocese.

A criação da comunidade de energia renovável prevê a instalação de 2.100 painéis fotovoltaicos em vários edifícios, como o Paço Arquiepiscopal, o Seminário de Nossa Senhora da Conceição ou o Seminário Conciliar e deverá estar concluída até ao final do ano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+