Tempo
|
A+ / A-

Freira italiana assassinada em Moçambique

07 set, 2022 - 17:03 • Ana Catarina André

A missionária morreu durante um ataque à comunidade comboniana de Chipene, na província de Nampula. A igreja, dois lares, as casas dos religiosos, o centro de saúde e alguns armazéns ficaram destruídos

A+ / A-

A freira italiana Maria De Coppi foi assassinada na terça-feira à noite, dia 6, na sequência de um ataque à comunidade comboniana onde vivia, em Chipene, na província de Nampula, Moçambique. De acordo com o padre Loris Vignandel, que estava próximo e conseguiu escapar ileso, “os insurgentes queimaram a igreja, os dois lares, a casa dos padres e das irmãs, o centro de saúde, alguns armazéns”.

Além de Maria De Coppi, faziam parte da comunidade mais quatro irmãs (duas espanholas, uma italiana e outra do Togo) – duas estavam no local e conseguiram fugir. “No início, a irmã Eleonora agarrou nas meninas e fugiu com elas para o mato. A irmã Angeles também conseguiu escapar depois de a terem agarrado pelas costas. Infelizmente, um dos primeiros tiros atingiu a irmã Maria no rosto: não havia nada a fazer”, contou o padre Loris Vignandel que, durante o ataque, se refugiou numa sala, em silêncio, com outro sacerdote, o Lorenzo Barro.

O arcebispo de Nampula, D. Inacio Saure, admitiu que é “muito provável” que os autores do ataque sejam terroristas islâmicos, mas sublinhou não ter a certeza sobre a identidade dos mesmos.

Maria De Coppi era originária de Santa Lucia di Piave, no norte de Itália, e estava em África desde 1963. A paróquia onde a irmã comboniana estava em missão albergava centenas de pessoas que fugiam dos combates no norte do país. Nos últimos meses, e à semelhança do que se passa em Cabo Delgado, a província de Nampula tem sido procurada por grupos terroristas ligados ao Daesh que têm causado instabilidade no território.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Amora de Bruegas
    07 set, 2022 Tomar 22:46
    O islamismo é muuuito pacifista e amigo dos católicos. Por isso, Bergoglio anda aos abracinhos com eles! Até quando tanta traição?

Destaques V+