Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Guerra na Ucrânia. Papa pede que se evite um desastre nuclear

24 ago, 2022 - 10:25 • João Cunha com redação

Francisco voltou a apelar à paz na Ucrânia, após seis meses de invasão russa. A guerra é uma "loucura".

A+ / A-

Seis meses após a invasão das tropas russas na Ucrânia, o Papa Francisco pediu que sejam dados passos concretos com vista ao fim da guerra e que se evite um desastre nuclear.

"Convido-os de novo a rezar pela paz para o amado povo ucraniano. Espero que sejam tomadas medidas concretas para pôr fim à guerra e evitar o risco de um desastre nuclear em Zaporijía”, apelou, lembrando ainda as vítimas da guerra, quando passam seis meses da invasão russa.

“Trago os prisioneiros no meu coração aqueles que estão em condições frágeis. Temos necessidade de paz", reiterou esta quarta-feira, durante a audiência-geral no Vaticano.

Em causa está a central nuclear de Zaporijía, invadida por tropas russas em março, que tem motivado a troca de acusações entre a Rússia e a Ucrânia após vários ataques à instalação, a maior do género na Europa.

“Tantos feridos, tantas crianças ucranianas e russas que se tornaram órfãos, a orfandade não tem nacionalidade, perderam o pai, a mãe, sejam russos, sejam ucranianos”, acrescentou.

O Papa alertou para a “crueldade”, pois muitos inocentes estão a pagar de todas as partes: “A guerra é uma loucura e ninguém na guerra pode dizer: ‘não, eu não sou louco’”.

Os seis meses da guerra coincidem com o 31.º aniversário da independência da Ucrânia, declarada em 24 de agosto de 1991.

Segundo o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), mais de 11 milhões de pessoas (cerca de 25% da população do país) atravessaram a fronteira desde 24 de fevereiro, o dia em que a Rússia invadiu a região de Donbass. Ou seja, um em cada quatro ucranianos fugiu do país desde o início do ataque ordenado por Vladimir Putin.

Nos últimos meses, quase cinco milhões voltaram ao país apesar da guerra não ter terminado, enquanto mais de seis milhões continuam refugiados pela Europa. Destes, só cerca de 3,8 milhões integram programas de proteção temporária para refugiados da Ucrânia.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+