Tempo
|
A+ / A-

Abusos sexuais na Igreja

"Um bom tsunami". D. Daniel Batalha espera que casos de abusos na Igreja sirvam de alerta também ao Estado

12 ago, 2022 - 21:41 • Lusa

Bispo auxiliar de Lisboa espera que o esforço da igreja na investigação de casos de abuso sexual ajude a criar "um bom tsunami social" para que muitas outras instituições, a começar pelas do Estado, adotem um cuidado semelhante para que esse tipo de situações não aconteça.

A+ / A-

O bispo auxiliar de Lisboa, D. Daniel Batalha, reconheceu esta sexta-feira que se espera muito da Igreja Católica em termos de irrepreensibilidade, sobretudo dos sacerdotes.

“A Igreja tem sido a primeira castigada, e se calhar justamente, até porque se espera muito da Igreja em termos de irrepreensibilidade, acima de tudo dos sacerdotes, mas também tenho esta esperança de que isto possa criar um bom ‘tsunami’ social na sociedade e que muitas outras instituições, começando logo pelas do Estado (…), também possam ir criando este cuidado, para que estas situações não aconteçam”, afirmou D. Daniel Batalha.

O prelado, que integra a Comissão Episcopal para a Pastoral Social e Mobilidade Humana, falava em conferência de imprensa no âmbito da peregrinação internacional aniversária de 12 e 13 de agosto ao Santuário de Fátima.

O bispo particularizou as acusações ao cardeal patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, realçando o cuidado que tem com esta matéria, no sentido de “ir ao encontro [das vítimas], para ajudar, para escutar”.

D. Daniel Batalha lembrou que o Patriarcado de Lisboa foi o primeiro a criar uma Comissão para a Proteção de Menores, referindo que “há este esforço na Diocese de Lisboa”, assim como nas restantes dioceses do país.

O bispo auxiliar de Lisboa defendeu ainda um “acompanhamento das famílias, quer na prevenção, quer na denúncia” de abusos sexuais.

Nas últimas semanas, a imprensa tem divulgado abusos sexuais alegadamente cometidos por sacerdotes, assim como o suposto encobrimento por parte de elementos da hierarquia da Igreja Católica.

“São circunstâncias que a todos nos doem”, acrescentou.

O cardeal patriarca de Lisboa foi recebido, no dia 5, pelo Papa Francisco a propósito dos acontecimentos das últimas semanas, relacionados com suspeitas de abusos de menores na Igreja em Portugal, revelou o Patriarcado.

Em comunicado, o Patriarcado de Lisboa diz que Manuel Clemente foi recebido, a seu pedido, “em audiência privada”.

Esta audiência ocorreu no dia em que o jornal Expresso divulgou que, além de, Manuel Clemente, também o bispo da Guarda, Manuel Felício, e o bispo emérito de Setúbal, Gilberto Reis, terão tido conhecimento de queixas de abusos por parte de padres e não comunicaram essas suspeitas nem à Polícia Judiciária, nem ao Ministério Público, as autoridades civis com competência para investigar este tipo de crimes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    16 ago, 2022 ILHAVO 09:57
    Totalmente de acordo, ... desde que isso não implique desviar-se a atenção do problema concreto - grave e por resolver. Dito assim, sem mais, até pode parecer que também há (muitas) vítimas de pedofilia entre crianças ao cuidado de agentes do próprio Estado, por exemplo em creches e escolas públicas - onde mais? O que se quer verdadeiramente dizer - que falta legislação? Não houve já o reconhecimento explícito e público de que os "procedimentos" actualmente consagrados superam os dos principais visados, ainda que não os "princípios" que reclamam e defendem, pelos quais se deveriam pautar?

Destaques V+