Tempo
|
A+ / A-

Reportagem

A caminho de Santiago… de andarilho

02 ago, 2022 - 19:36 • Teresa Paula Costa

Com paralisia cerebral, André Garcia está a fazer a peregrinação europeia a Santiago de Compostela num andarilho todo-o-terreno. Evento juntará milhares de jovens europeus para um "ensaio" da Jornada Mundial da Juventude.

A+ / A-

André Garcia terá 18 anos em 2023, ano em que o Papa Francisco virá a Portugal para se encontrar com jovens de todo o mundo num dos maiores eventos mundiais juvenis cristãos, a Jornada Mundial da Juventude (JMJ).

O facto de ter mobilidade reduzida, devido à paralisia cerebral, levou os pais a questionarem-se como o poderiam levar. A surpresa surgiu quando o serviço da juventude do Patriarcado de Lisboa abriu inscrições para jovens com mobilidade reduzida participarem na peregrinação europeia a Santiago de Compostela, de 3 a 7 de agosto, uma espécie de “preparação” para a JMJ.

A solução proposta foi a utilização de um equipamento chamado “joëlette”, um andarilho “todo-o-terreno”, uma espécie de carro no qual o jovem vai sentado e que é “empurrado” e “puxado” por outras pessoas. Um equipamento frequentemente utilizado por bombeiros para transportar pessoas em determinadas circunstâncias.

Neste caso, são outros jovens que estão também a fazer a peregrinação que ajudam a transportar André Garcia.

Uma experiência verdadeiramente “fantástica”, aplaude a mãe do jovem. Rita Neres enaltece a “entrega” e a “dedicação” dos participantes, pois “todos os jovens vão-se revezando e transportam o André”. “Um trabalho de equipa automático”, ao longo de mais de 60 quilómetros, salienta a mãe.

“Um grupo extraordinário, com um equipamento extraordinário deu uma viagem de sonho ao André”, exclama o pai. Henrique Garcia verbaliza o que o filho, por causa da doença, não consegue expressar: “Ele está felicíssimo!”

A experiência vale também pela mensagem que deixa nas entrelinhas, salienta o pai: “ninguém fica para trás, há sempre alguém que ajuda, que transporta, que resolve o problema se ele existir”.

A experiência, lembra a mãe Rita Neres, “é interessante também para abrir portas para outras pessoas que queiram participar e usufruir da espiritualidade de uma peregrinação, do ambiente e da natureza”.

Um em 117 rumo a Santiago de Compostela

André Garcia é um dos 117 jovens do Patriarcado de Lisboa que estão a caminho de Santiago de Compostela. A eles juntam-se muitos outros de outras dioceses do país que percorrem os caminhos de Santiago para participarem na Peregrinação Europeia de Jovens.

Partiram nesta segunda-feira, de Soutelo de Montes, na Galiza, para onde se deslocaram de autocarro e, em princípio, chegarão a Santiago de Compostela na tarde desta quarta-feira.

Francisco Martins nunca tinha feito uma peregrinação a Santiago de Compostela. Além disso, confessa que “desde a pandemia que tinha muitas saudades de fazer uma peregrinação”, por isso, aceitou esta oportunidade.

Para o jovem de 25 anos, “o mais difícil tem sido a própria caminhada com as subidas e descidas sob calor intenso.” No entanto, da sua memória, já não saem vários momentos que, até agora, marcaram esta jornada, como “o convite para tocar no coro e a disponibilidade demonstrada pelas pessoas para cantar, as conversas entre as pessoas durante a caminhada e as brincadeiras para nos animar neste caminho”.

Já para Madalena Sá, esta é a primeira peregrinação da sua vida. Com apenas 15 anos, tinha já há muito tempo o desejo de um dia fazer uma peregrinação. O convite da paróquia surgiu na altura certa e a jovem aceitou. Não quis fazer preparação física, por isso “tem sido um pouco doloroso, porque é cansativo, ainda por cima com o calor”, mas garante que “tem sido giro”. Apesar do cansaço, mantém o objetivo de “chegar ao fim”, até porque quer participar na Jornada Mundial da Juventude.

Preparação para a JMJ

A nível espiritual, os jovens têm o apoio do padre João Quintas. O assistente espiritual do serviço da juventude do patriarcado admitiu à Renascença que “esta peregrinação é uma preparação para a JMJ”, mas “é também uma oportunidade por si” que “eles querem aproveitar”.


Por outro lado, tem um aspeto “muito singular e especial”, porque, para além de estarem em peregrinação, “vão poder desfrutar de umas jornadas europeias de quatro dias na cidade”.

“Em cada verão, há sempre oportunidade de fazermos estas experiências especiais de ser Igreja, o que nem sempre é possível durante o ano, devido às correrias do trabalho e da escola”, salientou o sacerdote, para quem esta “é uma bela forma de os jovens também saberem que podem estar em Igreja a gozar as férias e a oferecer as férias também para estes momentos de encontro.”

Para o diretor do serviço da juventude do Patriarcado de Lisboa, esta peregrinação europeia a Santiago de Compostela é uma “preparação” para a Jornada Mundial da Juventude.

Em entrevista à Renascença, João Clemente afirmou que “será um momento em que jovens de toda a Europa estarão em Santiago de Compostela para se encontrarem com Jesus”, mas também para se “divertirem”, porque “o programa tem, desde momentos de oração a momentos de convívio, a momentos de formação”, ou seja, “é muito completo”.

E um ensaio

Considerando que esta peregrinação será “um pequeno ensaio daquilo que vai acontecer em Lisboa em 2023”, o diretor do serviço da juventude disse esperar que “aqueles que fazem agora esta experiência venham cheios de motivação para a Jornada Mundial da Juventude”.

A Peregrinação Europeia de Jovens acontece em Santiago de Compostela em todos os anos jacobeus (em que o dia de São Tiago se celebra ao domingo, sendo que este ano é um ano jacobeu prolongado devido à pandemia).

O cardeal D. António Marto foi designado como delegado do Papa para esta Peregrinação Europeia.

[notícia atualizada às 11h15]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+