Tempo
|
A+ / A-

Câmara de Lisboa

Moedas muda responsável pelo pelouro da Jornada Mundial da Juventude

22 jul, 2022 - 16:18 • Ricardo Vieira

Autarca substituiu a vereadora independente, que detém a pasta dos Direitos Sociais, pelo vice-presidente da autarquia, Filipe Anacoreta Correia.

A+ / A-

Laurinda Alves já não é a responsável na Câmara de Lisboa pelo pelouro da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), o grande encontro católico marcado para o próximo ano.

O autarca Carlos Moedas substituiu a vereadora independente, que detém a pasta dos Assuntos Sociais, pelo vice-presidente da autarquia, Filipe Anacoreta Correia.

"A importância deste evento para a cidade de Lisboa, e o impacto que tem nas infraestruturas e no tecido humano e comercial da cidade, implica a necessidade de o mesmo ser preparado atempadamente, com interlocutores claros", refere um edital da Câmara, assinado por Carlos Moedas.

O documento sublinha que “não obstante o anúncio da realização [da JMJ] datar de janeiro de 2019, verifica-se não ter existido qualquer formalização quanto ao envolvimento da CML neste processo”.

Filipe Anacoreta Correia assume "as competências de coordenação geral de todas as atividades municipais destinadas à organização e realização da JMJ 2023".

O vereador do CDS-PP também vai fazer a ligação "com as entidades externas envolvidas, designadamente com o Patriarcado de Lisboa, com a Fundação Jornada Mundial da Juventude, com o Governo e com as demais entidades públicas e privadas envolvidas".

Ainda segundo o edital de Carlos Moeda, a pasta da Jornada Mundial da Juventude será gerida em "estreita articulação com a vereadora Laurinda Alves" e com outros vereadores responsáveis por pelouros envolvidos na JMJ, nomeadamente das áreas das obras municipais, juventude ou habitação.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+