Tempo
|
A+ / A-

Aumenta a insegurança na Nigéria. Três padres raptados nos últimos dias

05 jul, 2022 - 08:45 • Olímpia Mairos

Fundação Ajuda à Igreja que Sofre alerta para o agravamento das condições de insegurança neste país africano "em que a Igreja Católica é um dos alvos preferenciais de malfeitores e de grupos armados”.

A+ / A-

O clima de insegurança tem vindo a gravar-se na Nigéria. Prova disso é o rapto de três sacerdotes nos últimos dias.

No sábado, 2 de julho, enquanto circulavam de automóvel na estrada entre Benin e Auchi, os padres Peter Udo e Philemon Oboh foram levados “para local desconhecido” depois de a viatura em que circulavam ter sido bloqueada perto das localidades de Ehor e Iruekpen.

Na segunda-feira, dia 4, o padre Emmanuel Silas foi também sequestrado quando se encontrava na reitoria paroquial da Igreja de São Carlos, em Zambina, na Diocese de Kafanchan, situada no estado de Kaduna.

Segundo a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), “o rapto destes três sacerdotes em zonas distintas na Nigéria e num tão curto espaço de tempo, é um sinal claro do agravamento das condições de insegurança neste país africano em que a Igreja Católica é um dos alvos preferenciais de malfeitores e de grupos armados”.

Citado pela AIS, o chanceler da Diocese Kafanchan, padre Emmanuel Okolo, refere que a Igreja está a procurar “por todos os meios legítimos garantir a rápida e segura libertação” do sacerdote raptado, pedindo às pessoas para se coibirem “de fazer justiça pelas próprias mãos”.

Recentemente, no funeral do padre Vitus Borogo, assassinado a 25 de junho, em Kaduna, alguns padres empunharam cartazes com frases onde manifestavam a revolta e desapontamento face à degradação das condições de segurança no país.

Durante a homilia, o arcebispo de Kaduna, que presidiu ao funeral do sacerdote, afirmou que, nos seus 60 anos de vida, nunca “tinha visto nada assim, nem mesmo durante [os tempos] da guerra civil” e apelou às autoridades para garantirem a segurança dos cidadãos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+