Tempo
|
A+ / A-

Papa pede reforço da unidade dos cristãos contra “esta guerra cruel” que “ameaça o mundo inteiro”

06 mai, 2022 - 14:00 • Aura Miguel

No encontro que teve esta sexta-feira com membros da plenária do Conselho Pontifício para a Unidade dos Cristãos, o Papa referiu-se ao “novo e trágico desafio da guerra em curso na Ucrânia”.

A+ / A-

O Papa Francisco considera cruel e insensata a guerra na Ucrânia e apela os cristãos a reforçar o desejo de unidade.

No encontro que teve esta sexta-feira com membros da plenária do Conselho Pontifício para a Unidade dos Cristãos, o Papa referiu-se ao “novo e trágico desafio da guerra em curso na Ucrânia”.

Francisco recordou que “guerras regionais nunca faltaram desde o fim da Segunda Guerra Mundial” e também assinalou o que se passou no Ruanda, há 30 anos, e agora no Myanmar. “Mas como estão longe, não os vemos, enquanto isso está perto e nos faz reagir”, acrescentou.

“No entanto, esta guerra, cruel e sem sentido como qualquer guerra, tem uma dimensão maior e ameaça o mundo inteiro e não pode deixar de desafiar a consciência de cada cristão e de cada Igreja."

A pensar do testemunho e responsabilidade dos cristãos, o Santo Padre convidou os presentes a interrogarem-se conjuntamente sobre “o que as Igrejas fizeram e podem fazer para contribuir para o desenvolvimento de uma comunidade mundial, capaz de criar a fraternidade a partir de povos e nações que vivem a amizade social”.

"No século passado, a consciência de que o escândalo da divisão dos cristãos teve um peso histórico na geração do mal que envenenou o mundo com dor e injustiça, levou as comunidades crentes, sob a orientação do Espírito Santo, a desejar a unidade. Hoje, diante da barbárie da guerra, este anseio de unidade deve ser alimentado novamente", rematou Francisco.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+