Tempo
|
A+ / A-

Entrevista

Manuel Lemos. “Está na altura de o Estado devolver competências à sociedade civil”

10 abr, 2022 - 08:03 • Henrique Cunha

Eleito recentemente para um mandato de quatro anos como presidente da Confederação Portuguesa da Economia Social, Manuel Lemos lembra que, “apesar de Portugal ter uma tradição penta-secular da economia social, como é o caso das misericórdias, é ainda um país em que a importância da economia social é das mais baixas da Europa”.

A+ / A-

A contribuição da economia social para o PIB (produto Interno Bruto) “anda na ordem dos 3,5%, ao passo que na Suécia gira à volta dos 15%”, afirma o presidente da Confederação Portuguesa da Economia Social.

“Como se diz em linguagem futebolística, temos uma enorme margem de progressão. E é isso que nós entendemos que deve ser feito rapidamente, e é o que vamos tentar fazer em todas áreas e com todas as famílias da economia social que não são só as da assistência e da proteção social, mas envolvem também as áreas económicas como por exemplo as cooperativas”, acrescenta Manuel Lemos, em entrevista à Renascença.

“Estamos a falar num conjunto de outras famílias do setor que são convenientes para o país, sobretudo num país em crise e pobre como o nosso, e em que é preciso amentar a participação da economia social, mas aumentá-la mesmo”, reforça.


OuvirPausa
Na área da proteção social, sabemos fazer, fazemos bem e fazemos barato.


Neste contexto, o presidente da Confederação Portuguesa da Economia Social defende a necessidade de o “Estado reduzir claramente a sua participação, porque tivemos aqui muitos anos de grande incidência do Estado, com o Estado a assumir muitas competências que são da sociedade civil”. Para Manuel Lemos, “o mundo está a mudar e está na altura de mudarmos e de devolver essas competências à sociedade civil”.

“E nós temos demonstrado, na área da proteção social, que sabemos fazer, fazemos bem e fazemos barato”, sublinha.

Manuel Lemos, que foi recebido na semana passada pelo Presidente da República, declara muita confiança no primeiro-ministro e na ministra da Solidariedade, mas insiste na necessidade de uma maior articulação entre os ministérios da saúde, da educação e da solidariedade social.

O responsável lembra que o PRR (Programa de Recuperação e Resiliência) prevê a construção de 5.500 camas de cuidados continuados e que é necessário articular essa iniciativa com o setor social.

“No PRR estão previstas a construção de 5.500 camas de cuidados continuados. Vamos ver como é que nos articularmos antes. Se for para nos articularmos depois, eu acho que não vai dar bom resultado”, remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+