Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

"É cruel, desumano e um sacrilégio." Papa pede compromisso para acabar com "guerra repugnante"

20 mar, 2022 - 12:45 • Redação

O pontífice lamentou que esta semana tenham sido novamente "lançados mísseis e bombas contra idosos, crianças, mães, mulheres grávidas".

A+ / A-
Papa pede compromisso para acabar com "guerra repugnante"
Papa pede compromisso para acabar com "guerra repugnante"

O Papa Francisco pediu este domingo à comunidade internacional que se comprometa com acabar com a guerra na Ucrânia, após a invasão da Rússia, que classificou como "repugnante" e um "massacre sem sentido".

"A agressão violenta contra a Ucrânia não pára. Um massacre sem sentido em que as atrocidades se repetem todos os dias e não há uma justificação para isso. Peço aos atores da comunidade internacional que se comprometam em acabar com esta guerra repugnante", disse, depois de rezar na Praça de São Pedro.

O pontífice lamentou que esta semana tenham sido novamente "lançados mísseis e bombas contra idosos, crianças, mães, mulheres grávidas", e frisou que este sábado visitou o hospital Bambino Gesu onde estão internadas algumas crianças ucranianas vítimas dos bombardeamentos.

"Penso na multidão dos refugiados ucranianos que têm de fugir deixando tudo e sinto grande dor por aqueles que não têm possibilidade de escapar. Tantos avós, doentes e pobres, separados dos seus familiares, tantas crianças e pessoas frágeis ficam a morrer debaixo das bombas, sem poderem receber ajuda nem encontrar segurança, nem sequer nos refúgios anti-aéreos", disse.

Também recordou os milhões de refugiados que fugiram e que perderam tudo, e expressou a "sua dor" por aqueles que não podem escapar.

"É cruel, desumano e um sacrílego", repetiu, num dos seus apelos mais duros desde o início da guerra, embora, novamente, sem referir diretamente a Rússia.

O pontífice assinalou que os padres estão próximos da população ucraniana, apelando a que a população não se habitue à violência e à guerra e pediu atenção a todas as mulheres e crianças que fogem para que não caiam nas mãos "dos abutres da sociedade", num alerta para o perigo do tráfico humano.

Para consagração de dia 25 de março, solenidade da anunciação, o Papa Francisco lançou ainda um apelo: "Convido todas as comunidades e todos os fiéis a unirem-se a mim e a cumprir um Acto solene de consagração da humanidade, especialmente da Rússia e da Ucrânia, ao Imaculado Coração de Maria para que ela, a Rainha da Paz, obtenha paz para o mundo."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Desabafo Assim
    20 mar, 2022 porto 22:50
    Não estranhe a não referência ao agressor russo, nada há para tirar de um e pôr no outro, pois se lhe digo que fazei padecer quem tu amas em troca da tua condição e de todos os teus haveres quem perante tão grave ameaça não cede? Usam as cidades como trincheiras e lá encontram desamparados, idosos, miseria e penúria, pensam que lhes ralham, lhes falam dos corredores? Um escândalo sem igual, a invocação da besta bem regada com ódio. Pensa o povo oprimido que está isento de acolher o opressor, todos são crianças, no mau sentido, insensatos vestidos de homens arrogantes e medrosos, generais de grandes feitos pouquíssimos, Gandhi, luter e todos os outros com as mesmas estratégias.

Destaques V+