Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia. “Em nome de Deus, parem”, apela Papa Francisco

12 mar, 2022 - 16:06 • Lusa

Francisco ofereceu a mediação da Santa Sé.

A+ / A-

O Papa Francisco fez, este sábado, um novo apelo para acabar com a invasão russa da Ucrânia e a guerra, denunciando as duras repercussões nas crianças e exortando: "Em nome de Deus, parem!"

"Nunca guerra! Pensem acima de tudo nas crianças, cuja esperança de uma vida digna é tirada: crianças mortas, feridas, órfãs, crianças que têm resíduos de guerra como brinquedos. Em nome de Deus, parem!”, publicou o Papa no Twitter.

Francisco não escondeu a sua profunda preocupação com a guerra que eclodiu na Ucrânia, após o ataque do regime de Vladimir Putin, e até ofereceu a mediação da Santa Sé.

O seu secretário de Estado, Pietro Parolin, o "primeiro-ministro" do Vaticano, conversou com ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, e transmitiu-lhe a vontade da Santa Sé de “fazer tudo, colocar-se ao serviço da paz”.

Além da ajuda enviada, Francisco enviou dois cardeais à Ucrânia para oferecer os seus serviços à população e aos deslocados: o polaco Konrad Krajewski e o checo Michael Czerny, secretário da Seção de Migrantes e Refugiados do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral.

O Papa fez também uma visita surpresa à embaixada russa na Santa Sé, um dia após o ataque da Rússia à Ucrânia, para expressar a sua profunda preocupação.

Por sua vez, numa entrevista publicada hoje pelos meios de comunicação social do Vaticano, Parolin mostrou-se apologista da diplomacia, ressalvando que a doutrina social da Igreja “sempre reconheceu a legitimidade da resistência armada contra a agressão”.

“Mas acho que diante do que está a acontecer é essencial perguntar: estamos a fazer os possíveis para chegar a uma trégua? A resistência armada é o único caminho? Estas palavras, perante a morte de mulheres e crianças, milhões de deslocados e a destruição de um país podem parecer utópicas. Mas a paz não é uma utopia”, defendeu.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou pelo menos 564 mortos e mais de 982 feridos entre a população civil e provocou a fuga de cerca de 4,5 milhões de pessoas, entre as quais 2,5 milhões para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+