Tempo
|
A+ / A-

Ucrânia. Secretário de Estado do Vaticano conversou com ministro russo dos Negócios Estrangeiros

08 mar, 2022 - 15:48 • Ecclesia

Cardeal Parolin manifestou a Sergei Lavrov "profunda preocupação" do Papa e disponibilidade da Santa Sé para mediar conflito.

A+ / A-

O secretário de Estado do Vaticano e o ministro russo dos Negócios Estrangeiros conversaram esta terça-feira ao telefone sobre o conflito na Ucrânia, tendo o cardeal Parolin manifestado a “profunda preocupação” do Papa.

“Em particular, reiterou o apelo para interromper os ataques armados, garantir corredores humanitários para civis e socorristas, substituir a violência das armas pela negociação”, refere uma nota divulgada pela Santa Sé.

O responsável pela diplomacia do Vaticano reafirmou a posição pública assumida por Francisco no último domingo, colocando-se ao dispor das partes em conflito, “ao serviço da paz”.

Lavrov, por sua vez, apresentou a posição de Moscovo “a respeito das causas e objetivos da operação militar especial que está a ser realizada na Ucrânia”, refere uma nota do Ministério das Negócios Estrangeiros da Rússia.

Segundo o comunicado, as duas partes expressaram a esperança de que uma quarta ronda de conversações entre Moscovo e Kiev seja realizada o mais rapidamente possível, em busca de “um acordo sobre os principais problemas subjacentes à crise, a fim de resolvê-la e cessar as hostilidades”.

Já esta segunda-feira, o cardeal Pietro Parolin tinha sublinhado a disponibilidade da Santa Sé para mediar o conflito entre a Ucrânia e a Rússia.

”Acredito que o que deve ser feito agora, antes tudo, é parar as armas, parar os combates, sobretudo evitar uma escalada. E a primeira escalada é justamente a verbal”, afirmou o responsável, em entrevista ao canal televisivo dos bispos italianos.

O colaborador do Papa, responsável pela diplomacia da Santa Sé, destacou que esta “atua em diversos níveis”, do religioso ao humanitário.

“Depois há também iniciativas, acima de tudo há a disponibilidade de iniciativas, no plano diplomático”, acrescentou.

No último domingo, o Papa disse, após a recitação da oração do ângelus, que “a Santa Sé está pronta para fazer tudo, para colocar-se a serviço da paz”, criticando a guerra na Ucrânia.

O secretário de Estado do Vaticano reforçou este compromisso de procurar que as duas partes deixem as armas e procurem o diálogo.

“Já existem várias tentativas em andamento, em todo o mundo. Portanto, estamos disponíveis, se for considerado que a nossa presença e a nossa ação podem ajudar”, sublinhou D. Pietro Parolin.

No último dia 3 de março, o patriarca ortodoxo de Moscovo, Cirilo, recebeu em audiência o núncio apostólico (embaixador da Santa Sé) na Rússia, D. Giovanni D’Agnello.

Hoje, o cardeal Michael Czerny, prefeito interino do Dicastério para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral (Santa Sé) chegou à Hungria, para acompanhar a resposta humanitária aos refugiados da guerra.

“Esta viagem é uma maneira muito concreta de levar a palavra, a oração, a profecia, a denúncia do Santo Padre e de toda a comunidade cristã mais perto, onde as pessoas estão a sofrer. É um ato de presença e comunhão. Vou para ver, ouvir, aprender e comunicar a nossa solidariedade”, referiu ao portal ‘Vatican News’.

Já o esmoler pontifício, cardeal Konrad Krajeswki, partiu para a Polónia, com o objetivo de “mostrar a todos a proximidade e o encorajamento do Santo Padre.

Os dois cardeais foram enviados pelo Papa para dar “apoio material e espiritual” à população atingida pela guerra.

O portal de notícias do Vaticano evoca hoje, em particular, as mulheres atingidas pelo conflito, como “um exemplo de esperança, força e amor

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+