Tempo
|
A+ / A-

Arcebispo de Évora retoma visitas pastorais com “esperança e confiança”

24 fev, 2022 - 15:03 • Rosário Silva

Por causa da pandemia, em março de 2020, D. Francisco Senra Coelho interrompeu a visita pastoral à vigararia de Elvas. Com prudência, o prelado anunciou que vai retomar esta iniciativa, com forte tradição na diocese alentejana.

A+ / A-

O arcebispo de Évora, D. Francisco Senra Coelho, anunciou o regresso às “missões e visitas pastorais” à vigararia de Elvas, depois de quase dois anos de suspensão por causa da pandemia.

“No Ano Pastoral 2019/2020, escolhi visitar a vigararia de Elvas e foi uma experiência inolvidável visitar cada comunidade paroquial do concelho de Monforte e iniciar a visita ao concelho de Elvas, imprevistamente interrompida no dia 14 de março de 2020 devido à gravidade da pandemia Covid-19”, escreve D. Francisco Senra Coelho, numa carta dirigida à arquidiocese.

“Encontrava-me na fase de encerramento da missão e visita pastoral de Santa Eulália e São Vicente”, recorda o prelado, “e nunca poderei esquecer o contraste doloroso entre a alegria fraterna partilhada entre todos e a deceção provocada pelo inesperado de já não ser possível celebrar a Eucaristia festiva em cada uma destas comunidades”.

Assim, “imbuído de esperança e confiança”, o arcebispo retoma “as missões e as visitas pastorais às restantes paróquias da vigararia de Elvas”, anunciando que até ao Domingo de Páscoa, serão “muito limitadas na minha presença junto de vós, devido às preocupações que ainda devemos ter face à pandemia da covid-19”.

Mesmo sem marcar presença, como gostaria, para “conhecer a riqueza humana destas terras”, o D. Francisco confirma que pretende celebrar, pelo menos, a Eucaristia dominical, para deixar “a certeza do meu afeto, apreço, comunhão espiritual” e anunciar que “a visita pastoral em realidade de missão, às paróquias destes concelhos”, acontece, “querendo Deus”, no Ano Pastoral 2022/2023.

Depois da Páscoa, o arcebispo Senra Coelho espera então já ser possível conhecer as realidades concelhias de Elvas e Campo Maior, visitando, nomeadamente, “creches, os jardins de infância, as escolas, os centros de dia e os lares para idosos, os centros de apoio domiciliário, os clubes desportivos, os centros culturais, os artesãos, os mercados, as pessoas com deficiência e todos os que vivem sós”.

Na mesma carta, “num convite missionário”, o arcebispo de Évora pede que sejam convocadas “porta a porta”, todas as comunidades, “para que ninguém se sinta excluído ou esquecido”.

Para que este tempo de missão seja vivido intensamente, entre outras propostas, é sugerido que “se peregrine aos Santuários da esperança, como o Senhor Jesus da Piedade e Nossa Senhora da Enxara”, assim como “aos santuários da dádiva e da humanização, como o Hospital de Santa Luzia ou o Estabelecimento Prisional de Elvas”.

“Estou certo de que posso contar com todos os meus irmãos na fé e que vamos viver momentos inesquecíveis”, alude.

Até junho, neste regresso a uma certa normalidade, D. Francisco Senra Coelho espera poder passar pelas comunidades paroquiais dos concelhos de Elvas, Campo Maior, Avis e Fronteira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+