Tempo
|
A+ / A-

Autárquicas

Teólogo apela a participação nas eleições para “bloquear populismo”

19 set, 2021 - 09:42 • Henrique Cunha

O professor de Teologia Moral rejeita o argumento de muitos abstencionistas que dizem que não vale a votar porque “são todos iguais, ou já está tudo decidido”.

A+ / A-

A participação massiva nas eleições é importante para evitar o triunfo dos populismos, considera o teólogo Jorge Cunha, da Universidade Católica Portuguesa.

“O combate ao populismo, aos grupos daqueles que querem impor os seus interesses ao todo da comunidade política, tem de ser bloqueado pela nossa participação”, diz

Professor de teologia moral no centro regional do Porto da Universidade Católica, Jorge Cunha considera “muito importante” que no próximo domingo, dia 26 de setembro, dia de eleições autárquicas, nos “lembremos que nunca devemos deixar que os outros nos governem para lá da nossa vontade”.

O professor da UCP rejeita o argumento de muitos abstencionistas que dizem que não vale a votar porque “são todos iguais, ou já está tudo decidido”.

“Não pode ser, os políticos são delegados do povo, e recebem o poder a partir da participação do povo, e não propriamente de uma máquina que já está montada previamente”, sublinha Jorge Cunha.

O teólogo diz que “se nós não participarmos, se nós não mostrarmos preferência por projetos de vida, nós estamos a deixar que os outros nos governem, e não estamos a afirmar a nossa autonomia” e a alerta para o facto de que, quando alguém deixa de participar num ato eleitoral está a permitir que “os interesses privados possam impor-se aos interesses da comunidade”.

Jorge Cunha e defende anda que “os cristãos têm de ser os primeiros, pela sua espiritualidade e pela sua convicção a mostrarem” interesse em votar.

A uma semana das eleições autárquicas, fala de três dimensões muito importantes na relação entre sociedade e política: “em primeiro lugar, a predominância da comunidade em relação à política no seu todo. Depois, a afirmação do princípio de subsidiariedade como forma de regulação da relação do poder nacional com o poder local. E por último, essa ideia de que nós somos o sujeito, e a política não existe para desenvolver interesses”.

“A política existe para propor, para satisfazer necessidades e as utilidades da vida comum e é muito importante que os católicos perceberem isso”; remata Jorge Cunha.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    19 set, 2021 PORTUGAL 11:30
    O grande PROBLEMA no meio de tudo que nos é RECOMENDADO, é o Político não saber exercer a delegação que o CIDADÃO lhe confere, ou confia. É esse o grande DESVIADOR da ida a exercer o DIREITO de VOTAR. Como CATÓLICO, não aceito o DESRESPEITO pelo SER HUMANO. Hoje na nossa democracia só há o EU e não o ELES. Então ELES que se GOVERNEM. A Teologia é uma Ciência BONITA, mas a Política está pura e simplesmente a BURRIFAR-SE para o bem comum.

Destaques V+